Nanotecnologia

Motor movido a evaporação é inspirado em folha de samambaia

Redação do Site Inovação Tecnológica - 22/09/2006

Motor movido a evaporação é inspirado em folha de samambaia

Pesquisadores da Universidade de Michigan, Estados Unidos, estavam tentando imitar a forma de funcionamento de mecanismos biológicos das samambaias, principalmente os microcanais que estas plantas utilizam para transportar água.

Só que, como freqüentemente acontece nos laboratórios científicos, eles acabaram descobrindo algo que nada tem a ver com sua pesquisa original. E descobriram um novo tipo de motor que se movimenta por meio da evaporação - uma inovação que poderá representar uma nova forma de geração de energia para micro e nano dispositivos.

A idéia não veio exatamente dos microcanais que os pesquisadores estão tentando copiar, mas da forma como as samambaias dispersam seus esporos. "É essencialmente um microatuador," diz o pesquisador Michel Maharbiz.

Para espalhar seus esporos, a samambaia transforma um tipo de energia em outro - uma definição básica de um motor. A planta transforma o calor, via evaporação, em movimento - quando as células da parede externa do esporângio perdem água pela evaporação, ele abre e ejeta os esporos no ambiente.

Sintetizar o material com um comportamento similar não foi difícil. Os pesquisadores recobriram uma pastilha com silicone e a colocaram sob ação da luz para formar um padrão geométrico. A seguir, o material residual é retirado, deixando uma estrutura parecida com uma espinha dorsal curva, com "costelas" espaçadas homogeneamente.

Para fazer o "motor" funcionar, os pesquisadores preencheram os espaços entres as "costelas" com água. Quando a água evapora, sua tensão superficial puxa as pontas das estrias, fazendo-as mover-se uma em direção à outra e forçando a estrutura, antes fechada, a se abrir.

Agora os cientistas planejam adicionar componentes elétricos ao seu dispositivo na tentativa de fazê-lo gerar eletricidade. Eles estimam que seu motor biologicamente inspirado terá uma capacidade de geração de energia semelhante às pequenas células solares que hoje abastecem as calculadoras de mão.

Uma unidade de geração de energia tão minúscula e que pode ser acionada sob demanda, apenas com um feixe de raio laser ou mesmo luz visível, poderá ser muito útil em sensores remotos, instalados em locais onde seria inviável a troca regular de baterias e que devam funcionar continuamente.





Outras notícias sobre:

Mais Temas