Mecânica

Nova suspensão inteligente utiliza amortecedores eletromagnéticos

Nova suspensão inteligente utiliza amortecedores eletromagnéticos

A suspensão inteligente para automóveis chegou ao conhecimento do grande público através das corridas de automóveis. Elas acabaram por serem banidas, pelo menos da Fórmula 1, porque eram inteligentes demais e já não era mais necessário ser um piloto excepcional para dirigir os carros.

Agora a empresa norte-americana Bose, mais conhecida pelos sistemas de som para carros que fabrica, anunciou que chegou ao fim de um esforço de pesquisas de 20 anos, construindo uma suspensão inteligente capaz de dar conta de um sedan de luxo, além de ser economicamente viável.

As suspensões de automóvel tradicionais têm dois objetivos conflitantes: manter o conforto dos passageiros e garantir controle do veículo. Se for dada muito ênfase ao conforto, o carro se inclina muito nas curvas e na frenagem, diminuindo a segurança. Muita ênfase no desempenho e na segurança, por outro lado, significa uma redução drástica do conforto, com o veículo ficando "duro".

A pesquisa começou em 1.980, com um estudo teórico que durou cinco anos. Por meio de análises matemáticas, os engenheiros determinaram o desempenho ótimo de uma suspensão, independente de qualquer limitação dos equipamentos disponíveis na época. Com esses parâmetros, eles partiram então para encontrar as soluções tecnológicas para implementar a suspensão ideal.

O resultado foi a construção de uma suspensão eletromagnética, com atuadores lineares eletromagnéticos ligados a amplificadores de potência, tudo gerido por uma central de processamento que utiliza algoritmos especialmente criados a partir da análise matemática inicial.

A empresa está colocando o sistema à disposição das montadoras. Segundo seus próprios testes, utilizando sedans de luxo, a nova suspensão aumenta o desempenho e a segurança dos veículos atuais e mantém o nível de conforto, sendo muito superior a todas as soluções até agora adotadas, como as suspensões pneumáticas, por exemplo.





Outras notícias sobre:

Mais Temas