Plantão

11º Fórum Brasil Capital de Risco é sucesso

Com recorde de participação, a Fase 2 do 11º Fórum Brasil Capital de Risco conseguiu reunir, 60 investidores interessados em conhecer as quatro empresas que se apresentaram com vistas a abrir capital no Novo Mercado da Bovespa ou captar investimentos de private equity: Nutrella, CSU, RM Sistemas e Waytec.

O número é o triplo de público das edições anteriores do evento. No total, estiveram representadas 50 instituições diferentes, entre elas o BNDES, Bradesco, Banco do Brasil Investimento, o fundo de pensão Petros e as corretoras Título, Elite e Fator, entre outros.

Ada Gonçalves, coordenadora das ações estruturais do Projeto Inovar na FINEP, diz que uma das intenções é justamente dar visibilidade às empresas diante dos investidores: "Fazemos prospecção, identificamos e preparamos as empresas para que saibam como se aproximar da linguagem dos investidores, porque isso não é muito claro no mercado", explica.

Os critérios para seleção das empresas que participam da Fase 2 do Fórum Brasil Capital de Risco, promovido em parceria entre a FINEP e a Bovespa, são basicamente privilegiar a inovação tecnológica, estar aberto a ter novos sócios, ter boa situação financeira, ser atraente ao mercado e ter expectativa de crescimento.

O Fórum Brasil Capital de Risco, que anteriormente se chamava Venture Fórum, é uma agenda permanente de rodas de negócios, nas quais os empreendedores participantes têm a oportunidade de apresentar suas propostas de valor a uma platéia de investidores selecionados. Participam das rodas os gestores de fundos de capital de risco e de private equity, investidores corporativos, "angels", bancos de investimento e fundos de pensão, além de representantes dos patrocinadores.

O Fórum Brasil divide-se em duas fases, de acordo com o estágio de desenvolvimento da empresa e suas necessidades. Na Fase 1, em parceria com fundos de capital de risco, empresas nascentes de base tecnológica se apresentam a investidores. Já na Fase 2, em parceria com a BOVESPA, as empresas já consolidadas no mercado participam de reuniões com investidores com vistas à obtenção de investimentos de private equity ou abertura de capital no Novo Mercado.





Outras notícias sobre:

Mais Temas