Robótica

Braço robótico dará movimento a vítimas de derrame cerebral

Braço robótico dará movimento a vítimas de derrame cerebral

Cientistas da Universidade do Arizona, Estados Unidos, estão desenvolvendo um braço robótico que poderá auxiliar vítimas de acidentes vasculares cerebrais a recuperarem a capacidade de alcançar e segurar objetos, além de tarefas como alimentar-se e trocar de roupa.

O objetivo é que o novo braço robótico possa ser utilizado em casa, sem necessidade de auxílio especializado. Mas, além de servir como prótese definitiva, o equipamento também poderá ser utilizada em terapias de reabilitação física.

Batizado de Rupert I, o braço robótico é acionado por quatro "músculos pneumáticos", sendo móvel no ombro, no cotovelo e no pulso. O projeto é baseado em um modelo cinemático do braço, que mostrou onde os músculos deveriam ser localizados e qual seria a força necessária para o estender normal do braço e para movimentos como levar o alimento à boca.

Como foi construído totalmente ajustável, um mesmo braço robótico pode ser configurado para servir a diversos tamanhos de braço e corpo, tanto para servir a diversos pacientes, quanto para baratear seu custo de produção.

Os cientistas terminaram a primeira etapa de testes, que foi feita em pacientes vítimas de derrame cerebral, mas que possuíam os braços, mas com movimentos limitados. Utilizando os resultados coletados, eles estão agora construíndo o Rupert II, que deverá ser submetido a testes em pacientes que não possuam braços.

O novo braço robótico deverá ser fabricado pela empresa emergente Kinetic Muscles.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas