Mecânica

Casco de navio vai tremer para espantar cracas

Casco de navio poderá tremer para espantar cracas
O revestimento agita-se em nível molecular, eliminando bactérias e impedindo a formação de organismos sobre o casco dos navios.[Imagem: Phanindhar Shivapooja/Qiming Wang]

Agitação estratégica

Quando você quer afastar um inseto que pousa em sua pele, você usa as mãos.

Cavalos não conseguem fazer o mesmo e, como muitas moscas pousam fora do alcance do seu rabo, eles desenvolveram uma capacidade de mexer rapidamente a pele, livrando-se das visitas inoportunas.

Engenheiros acabam de desenvolver um sistema similar para navios, um revestimento capaz de se sacudir ligeiramente, agitando-se em nível microscópico, livrando-se das incômodas cracas e outros organismos que infestam os cascos das embarcações.

"Nós desenvolvemos um material que se 'enruga', alterando sua superfície em resposta a um estímulo, seja um estiramento, seja pressão ou eletricidade aplicada externamente," disse Xuanhe Zhao, da Universidade de Duke, nos Estados Unidos.

Cracas

Os pesquisadores demonstraram a capacidade do material em se deformar, mediante a aplicação de uma corrente elétrica, fazendo testes em água marinha.

O resultado é um melhoramento em relação a uma criação anterior da mesma equipe, que desenvolveu um plástico morfológico que muda de textura conforme a necessidade.

Eles avaliaram o impacto do novo revestimento sobre a capacidade de fixação de microrganismos e seu desenvolvimento, principalmente as cracas.

Esses pequenos crustáceos grudam no casco dos navios, aumentando o arrasto e o consumo de combustível, além de bloquear os sensores subaquáticos das embarcações.

Casco de navio poderá tremer para espantar cracas
O revestimento agita-se em nível molecular, eliminando bactérias e impedindo a formação de organismos sobre o casco dos navios. [Imagem: Shivapooja et al./Adv.Materials]

Remoção de bactérias

O material, que pode ser aplicado como uma tinta, move-se em nível microscópico, livrando-se não apenas de organismos marinhos, mas até mesmo de bactérias.

Isso torna o revestimento promissor também para a área de saúde, já que ele pode impedir a formação dos biofilmes, colônias de bactérias difíceis de eliminar pelos métodos tradicionais, e que podem representar problemas em hospitais e em instalações de purificação de água.

Com os bons resultados obtidos, os pesquisadores planejam agora desenvolver o material de forma a dar-lhe resistência para operar em condições reais.

Bibliografia:

Bioinspired Surfaces with Dynamic Topography for Active Control of Biofouling
Phanindhar Shivapooja, Qiming Wang, Beatriz Orihuela, Daniel Rittschof, Gabriel P. López, Xuanhe Zhao
Advanced Materials
Vol.: Article first published online
DOI: 10.1002/adma.201203374




Outras notícias sobre:

    Mais Temas