Plantão

Falha lançamento do satélite CBERS-3

Falha lançamento do satélite CBERS-3
Com a falha no lançamento do CBERS-3, o CBERS-4 poderá ter seu cronograma antecipado. [Imagem: INPE]

O satélite sino-brasileiro CBERS-3 não conseguiu entrar em órbita e quase certamente foi perdido.

Este teria sido o primeiro fracasso do foguete Longa Marcha 4B, que já havia sido utilizado em 34 lançamentos sem nenhuma falha.

Todas as etapas do lançamento pareciam ter sido completadas com sucesso, e o fracasso do lançamento só foi percebido quando deveria ter-se completado a primeira órbita do CBERS-3.

O satélite de monitoramento terrestre circundaria a Terra no sentido Sul-Norte, passando sobre os pólos e completando uma órbita a cada 100 minutos.

As primeiras informações davam conta de que o satélite não atingira a altitude pretendida e não tinha se comunicado com as estações de rastreio no Brasil e na China, embora provavelmente estivesse em órbita.

Logo depois, porém, o Ministério da Ciência e Tecnologia emitiu nota informando que "avaliações preliminares sugerem que o CBERS 3 tenha retornado ao planeta".

Projeto CBERS

O CBERS-3 fazia parte do Programa Sino-Brasileiro de Satélites de Recursos Terrestres e deveria preencher um vazio de três anos no monitoramento terrestre, devido à desativação dos satélites anteriores e a atrasos no lançamento do substituto.

O CBERS-2B deixou de funcionar em 2010. Antes, o CBERS-1 e o CBERS-2 tinham sido lançados em 1999 e 2003, respectivamente.

A viagem do foguete Longa Marcha 4B deveria durar 12,5 minutos, atingindo 780 quilômetros de altitude, quando se iniciaria a etapa de estabilização e de entrada em órbita.

Dados do INPE dão conta de que o investimento brasileiro total na construção do satélite chegou aos R$ 300 milhões, incluindo despesas do instituto, contratação de empresas especializadas e compra de equipamentos.

Os planos da parceria Brasil-China incluem o CBERS-4, previsto para ser lançado em 2015. Com a falha no lançamento, o CBERS-4 poderá ter seu cronograma antecipado.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas