Plantão

Alcântara inicia série de lançamentos de foguetes de treinamento

Certificação de foguetes

O Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), no Maranhão, inicia nesta segunda-feira (13) a Operação Falcão I, com o lançamento de dois Foguetes de Treinamento (FTB).

Esta é a primeira de uma série de lançamentos planejada para este ano.

A primeira fase termina no dia 22. As segunda e terceira fases estão previstas, respectivamente, entre os dias 1 e 10 de agosto, e de 24 de outubro a 2 de novembro. No total serão lançados quatro FTB.

O objetivo é certificar foguetes adequados para o treinamento de técnicos do CLA e do Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI).

Foguetes de treinamento

Os FTB têm comprimento total de 3,05 m, tempo de queima de 4 segundos e um peso total de 68,3 Kgf.

Na Operação Falcão I não serão levados experimentos a bordo em nenhum dos dois foguetes, embora haja disponibilidade de 5 kg de carga útil em cada lançamento, com possibilidade de transmissão dos dados via telemetria para as estações de solo.

"Só para se ter uma idéia da importância dos foguetes de treinamento, antes de se realizar um lançamento do VLS, todos os meios operacionais deverão ser testados, inclusive o sistema de terminação de vôo, o que poderá ser avaliado com o lançamento de um Foguete de Treinamento Intermediário," afirma o coronel Ricardo Rangel, diretor do CLA.

Os foguetes de treinamento têm sistema de telemetria na banda "S", transponder na banda "C" e sistema de terminação de vôo.

Voos mais altos

Os treinamentos proporcionados pelas campanhas de lançamento dos veículos FTB fazem parte da preparação do Centro de Lançamento de Alcântara para operações de maior porte, com é o caso do VLS - Veículo Lançador de Satélites, uma família de foguetes desenvolvida no Brasil com a finalidade de colocar um satélite na órbita da Terra - e do Cyclone 4 - foguete lançador de satélites desenvolvido pela Ucrânia.

O coronel Ricardo Rangel explica que essas operações são fundamentais para os Centros de Lançamento, pois permitem o treinamento das equipes técnicas, a manutenção dos meios operacionais e a identificação de novos procedimentos técnicos, incluindo as áreas de preparação, integração, lançamento, rastreio, coordenação operacional, meios aéreos e marítimos de esclarecimento, mecanismos de resgate e evacuação aeromédica, segurança de superfície e de voo.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas