Plantão

Foto de pulsos de laser dá prêmio a pesquisador brasileiro

Foto de pulsos de laser dá prêmio a pesquisador brasileiro
A foto de Ricardo Samad registra o momento em que pulsos ultracurtos de laser de alta intensidade - cerca de mil pulsos por segundo - interagem com um pedaço de papel.[Imagem: Ricardo E. Samad]

O físico brasileiro Ricardo Elgul Samad, do IPEN (Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares), foi o vencedor do 4º concurso de imagens fotográficas realizado anualmente pela revista Optics & Photonics News, da Sociedade Óptica da América.

A foto de Ricardo Samad registra o momento em que pulsos ultracurtos de laser de alta intensidade - cerca de mil pulsos por segundo - interagem com um pedaço de papel.

Queimando o ar

Para fazer a foto, o pesquisador movia rapidamente o papel, gerando um efeito espetacular de cores.

"Coloquei a máquina fotográfica no tripé, deixei a íris aberta registrando as imagens durante 1 segundo. Peguei um cartão de visitas, segurei na frente da lente e passei o cartão da esquerda para a direita. Quando o laser fica focalizado, ele 'queima o ar', criando um plasma [gás ionizado constituído de elétrons livres, íons e átomos neutros], que gera feixes de várias cores que se propagam", contou o pesquisador.

De relance

Na revista Optics & Photonics News, os jurados salientam a beleza da imagem. "O padrão produzido movendo a folha do papel é muito bonito", disse o canadense François Busque, especialista em óptica.

"Ao olhar de relance, a foto exige do observador que estude seus detalhes", acrescentou Brian Monacelli, do Centro de Pesquisa e Educação em Óptica e Lasers da Universidade da Flórida, nos Estados Unidos.

Para a quarta edição do concurso, a revista recebeu 81 inscrições, duas vezes mais do que nos anos anteriores. O segundo lugar ficou com Jeffrey W. Nicholson, da companhia OFS Laboratories, e o terceiro com Mike Kudenov, da Universidade do Arizona, ambos nos Estados Unidos.

Laser de alta potência

Segundo o pesquisador, o laboratório do qual faz parte desenvolve pesquisas básicas e de aplicações em várias frentes. Uma parte do trabalho é desenvolver um laser de alta potência, baseado em cristais de Cr:LiSAF que apresenta ampla emissão espectral e longo tempo de vida. "Desenvolver esse laser foi o objetivo do meu doutorado", disse Samad.

O Laboratório de Lasers Compactos de Altíssima Potência do Ipen é o primeiro no hemisfério Sul capaz de obter pulsos lasers com potências de pico próximas de 1 terawatt, abrindo espaço para pesquisas com aplicações práticas nas áreas da saúde, meio ambiente, nanotecnologia, entre outras.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas