Plantão

Técnicos injetam gás para prevenir explosões em reator no Japão

Nitrogênio

Técnicos da usina nuclear de Fukushima Daiichi, no Japão, começaram nesta quarta-feira a injetar nitrogênio no reator número 1 da instalação com o objetivo de prevenir novas explosões provocadas pelo acúmulo de hidrogênio no local.

Os seis reatores da usina foram danificados pelo terremoto e pelo tsunami que atingiu o país no dia 11 de março.

A catástrofe causou uma pane no sistema de resfriamento dos reservatórios de combustível nuclear, e as tentativas de resfriar as instalações foram interrompidas diversas vezes por explosões causadas pelo volume de hidrogênio em três dos reatores.

Segundo o porta-voz da Agência Nuclear do Japão, Makoto Watanabe, o processo de injetar o nitrogênio pode demorar dias até ser concluído.

Evitar novas explosões é uma prioridade para os funcionários, já que elas podem espalhar mais material radioativo no ar e aumentar os danos nos reatores.

Injeção de nitrogênio

Horas antes do início da operação de injeção de nitrogênio, os funcionários da usina conseguiram interromper o vazamento de água altamente radioativa para o Oceano Pacífico.

A Tokyo Electric Power (Tepco), empresa que opera a usina, disse ter usado agentes químicos para solidificar um lamaçal perto de uma rachadura no reator 2, que foi identificada como a fonte do vazamento.

Nos últimos dias, eles haviam utilizado serragem, jornais e concreto em tentativas de interromper o fluxo.

No entanto, um porta-voz do governo disse que ainda não se pode descartar a possibilidade de novos vazamentos.

Iodo radioativo

Funcionários da usina continuam a despejar cerca de 11.500 toneladas de água com baixos níveis de radiação no mar, para que a água mais contaminada possa ser armazenada nos edifícios destinados a resíduos nucleares.

Segundo oficiais, esta água não oferece perigo significativo à saúde humana, mas pescadores locais reagiram com indignação à medida.

Em uma carta, os maiores grupos de pesca da região acusaram o governo de uma ação "completamente ultrajante" que ameaçava sua fonte de sustento.

Na última terça-feira, níveis altos de iodo radioativo - cerca de duas vezes a mais do que o limite permitido legalmente em vegetais - foram encontrados em pequenos peixes na Província de Ibaraki, ao sul de Fukushima.

O governo japonês prometeu uma compensação para a indústria pesqueira, e a Tepco já revelou planos para compensar residentes e fazendeiros nos arredores da usina nuclear.

O número de mortos em consequência do terremoto e tsunami já chega a 12,5 mil. De acordo com a polícia, outras 15 mil pessoas estão desaparecidas.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas