Plantão

LabOceano inaugura simulador de correnteza marítima
O Laboratório de Tecnologia Oceânica (LabOceano) inaugurou o sistema de correnteza que será capaz de reproduzir, com precisão elevada, as correntes marinhas em função da profundidade do mar[Imagem: Gabriel Nacif/Coppe//UFRJ]

Simulador de correnteza marítima

O Laboratório de Tecnologia Oceânica (LabOceano) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ) inaugurou um novo sistema de simulação de correnteza marítima que será capaz de reproduzir, com precisão elevada, as correntes marinhas em função da profundidade do mar.

O investimento no projeto foi de R$ 22 milhões, sendo R$ 18,8 milhões da Petrobras e R$ 3,2 milhões da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

Desde sua inauguração, em 2003, o LabOceano é um centro de excelência em simulação das condições oceânicas do mar, com aplicação tanto na indústria de extração de petróleo em águas profundas, como na aplicação de energias renováveis das ondas do mar

Ele disse que o laboratório se completa agora com a instalação do sistema de correnteza. "Eu diria que, agora, a gente está em condições plenas de simular as condições do mar, o que nós já fazíamos antes, de forma parcial," disse o coordenador do LabOceano, professor Paulo de Tarso Esperança.

O novo sistema vai poder simular as correntes marítimas, que são muito importantes na avaliação das forças e do movimento dos conectores que ligam as plataformas de exploração petrolífera ao fundo do mar, isto é, ao poço, que são as tubulações, conhecidas como risers. "Esse é um aspecto muito importante que vai poder ser analisado a partir da inauguração desse sistema de correnteza. A Petrobras fazia atualmente esses ensaios no exterior, agora vai poder fazer aqui, no quintal de casa."

Energia eólica em alto mar

O gerente-executivo do Centro de Pesquisas Leopoldo Américo Miguez de Mello (Cenpes), da Petrobras, Orlando Ribeiro, disse que a empresa já vem utilizando o LabOceano, tendo feito cerca de 80 testes nos últimos 15 anos, e pretende continuar a usar com igual intensidade, porque o laboratório oferece agora condições melhores de testes. "Não só reproduz as ondas e o vento, como também a correnteza. Isso nos permite executar ensaios ainda mais detalhados das condições reais de operação."

Ribeiro disse que, além dos testes que serão efetuados para as plataformas de produção de petróleo, inclusive nas áreas do pré-sal, a Petrobras vai executar ensaios da energia eólica offshore (afastado da costa).

O novo sistema do LabOceano da Coppe vai reduzir de forma significativa os custos de testes feitos pela Petrobras, além de atender a toda comunidade científica nacional e estrangeira.

LabOceano inaugura simulador de correnteza marítima
O tanque auxiliar, mais curto e menos profundo, permite testar correntezas a velocidades maiores. [Imagem: Gabriel Nacif/Coppe//UFRJ]

LabOceano

Inaugurado em 2003, o LabOceano da Coppe dispõe de um tanque com capacidade para 20 milhões de litros d’água e altura equivalente a de um prédio de oito andares. Com 15 metros de profundidade e mais 10 metros adicionais em seu poço central, 40 metros de comprimento e 30 metros de largura, seus equipamentos possibilitam o desenvolvimento de pesquisas em hidrodinâmica experimental e computacional e em modelagem numérica de sistemas oceânicos.

O laboratório também é capaz de realizar os mais diversos tipos de ensaios para projetos da indústria naval, da Marinha, para o aproveitamento da energia térmica dos oceanos e geração de energia a partir das ondas.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas