Plantão

Laboratório de geologia sedimentar terá ênfase no pré-sal

Geociências do petróleo

A Unesp e a Petrobras inauguraram no campus de Rio Claro, o edifício do UNESPetro (Centro de Geociências Aplicadas ao Petróleo).

O novo conjunto de laboratórios atuará na formação de especialistas e no desenvolvimento de pesquisas, com ênfase em rochas carbonáticas, aquelas que formam a camada pré-sal e outros importantes reservatórios petrolíferos brasileiros.

Com dois mil metros quadrados de área útil, o complexo resultou da aplicação inicial de R$ 10,5 milhões para construção do prédio e compra de equipamentos e mobiliário.

Desse valor total, cerca de R$ 9,2 milhões são investimento vinculado à Rede Tecnológica da Petrobras e R$ 1,3 milhão corresponde à contrapartida da Universidade, que responde também pela contratação de professores e servidores técnico-administrativos.

Geologia sedimentar

O UNESPetro é o primeiro complexo de uma universidade brasileira concebido sob a perspectiva sistêmica para reunir as principais ciências que compõem a Geologia Sedimentar, tendo como alvo principal as rochas carbonáticas, destacou Dimas Dias Brito, coordenador do UNESPetro e professor do Instituto de Geociências e Ciências Exatas (IGCE), no campus de Rio Claro.

"Sob uma aliança consistente com a Petrobras, esse complexo surge para ser um centro de excelência nos campos da pesquisa e do ensino, tendo caráter de entidade nacional com forte inserção internacional", afirmou o professor, que participou da cerimônia de inauguração. "É mais uma iniciativa que alinha a Unesp às demandas atuais e futuras do país."

A criação do UNESPEtro se insere na Missão definida no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) da Universidade, que inclui "promover a formação profissional compromissada com a qualidade de vida, a inovação tecnológica, a sociedade sustentável, a equidade social, os direitos humanos e a participação democrática". A iniciativa está em consonância com os objetivos do PDI, entre eles o de "contribuir com o desenvolvimento regional, nacional e internacional, sem prejuízo da pesquisa básica".

O reitor da Unesp, Herman Jacobus Cornelis Voorwald, destacou, durante o evento, a importância do UNESPetro no âmbito da participação da Universidade nos esforços para o desenvolvimento científico e tecnológico, voltado para a melhoria da qualidade de vida, para a conservação ambiental e para a superação das desigualdades sociais.

Rochas carbonáticas

A criação do UNESPetro é uma das principais iniciativas para o desenvolvimento do Sistema de Capacitação, Ciência e Tecnologia em Carbonatos (SCTC).

Esse sistema é fruto de um acordo firmado em fevereiro de 2010 entre a Petrobras, a Unesp e as seguintes universidades: Estadual de Campinas (Unicamp), Estadual do Norte Fluminense (Uenf), Federal Fluminense (UFF) e Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

O SCTC visa avanços no conhecimento das rochas carbonáticas ainda relativamente pouco conhecidas pela indústria e pelo meio acadêmico, sobretudo em relação aos tipos ocorrentes no pré-sal.

Com a criação do SCTC, a empresa busca avançar na pesquisa geológica, na avaliação da produtividade dos poços e no fluxo de produção de petróleo e gás do pré-sal.

"A Unesp detém em seus quadros uma expertise em sistemas sedimentares. Por meio da parceria com essa universidade e demais instituições, assim como com a criação desse complexo, pretendemos que o Brasil seja uma referência no conhecimento em carbonatos", ressaltou Carlos Tadeu da Costa Fraga, gerente executivo do Cenpes (Centro de Pesquisas e Desenvolvimento da Petrobras), também presente à inauguração.

Redes Temáticas

O modelo das Redes Temáticas foi criado pela Petrobras em 2006, voltado para o relacionamento com as universidades e institutos de pesquisas do país. Hoje já há 50 redes operando em parceria com 110 instituições de todo o Brasil em temas estratégicos para o negócio da Petrobras e para a indústria brasileira de energia. "

A Petrobras investiu nos últimos quatro anos cerca de R$ 450 milhões anuais, em média, possibilitando às instituições conveniadas implantação de infraestrutura, aquisição de equipamentos, criação de laboratórios de padrão mundial de excelência, capacitação de pesquisadores/recursos humanos e execução de projetos de Pesquisa & Desenvolvimento nas áreas de interesse, como petróleo e gás, biocombustíveis e preservação ambiental.

"O que determinou o investimento nesta parceria foi a decisão da Petrobras em concentrar no Brasil o desenvolvimento do conhecimento sobre o pré-sal, aliado à excelência da Unesp e seu núcleo de geocientistas dedicados ao estudo de rochas carbonáticas", afirmou o diretor de Exploração e Produção da empresa, Guilherme Estrella.

Também compuseram a mesa da cerimônia de inauguração do complexo UNESPetro o vice-reitor Julio Cezar Durigan, o prefeito de Rio Claro, Du Altimari, o diretor do IGCE, Antônio Carlos Simões Pião, e o diretor do Instituto de Biociências do campus de Rio Claro, Luis Carlos Santana.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas