Plantão

Leilão de novas usinas teve deságio de 14,3% no preço da energia

Energia nova

O leilão das concessões das usinas de Garibaldi (SC), Colider (MT) e Ferreira Gomes (AP) obteve deságio médio de 14,3% na tarifa da energia que será vendida pelas hidrelétricas.

A disputa das outorgas, realizada hoje (30) pela internet, baixou de R$ 107,39 para R$ 92,07 o preço médio do megawatt/hora (MW/h) que será produzido pelas usinas.

O leilão das usinas fez parte do décimo leilão da chamada energia nova, promovido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). A energia nova é a energia que será produzida por empreendimentos que já receberam licença para sua construção.

Concessões das usinas

As usinas de Garibaldi, Colider e Ferreira Gomes estão nesta situação, com concessões de 30 anos cada uma. As concessionárias têm agora que construir as usinas e começar a fornecer energia no início de 2015.

A empresa Alupar venceu o leilão da usina de Ferreira Gomes. Ela ofereceu uma tarifa de R$ 69,78 por MW/h, com 15,9% de deságio sobre os R$ 83 do preço de referência do leilão.

Já a estatal paranaense Copel arrematou a usina de Colider oferecendo uma tarifa de R$ 103,40 por MW/h. O deságio foi de 10,9% e o preço de referência era de R$ 116.

O deságio da tarifa da usina de Garibaldi foi de 18,8%. A companhia TPI ofereceu tarifa de R$ 107,98 por MW/h, enquanto o preço de referência foi de R$ 133.

Tarifas de energia

Para o diretor da Aneel, Edval de Santana, o resultado do leilão foi um sucesso. Ele disse que as tarifas obtidas estão bem abaixo dos cerca de R$ 140 por MW/h resultantes de leilões anteriores.

"O resultado foi bem interessante para quem está preocupado com as tarifas", disse ele, em entrevista coletiva após a concorrência. "Isso ajuda a reduzir o custo para o consumidor."

De acordo com a Aneel, o investimento previsto para a construção das três usinas arrematadas é de cerca de R$ 3 bilhões. Todas elas são consideradas de capacidade média de geração de energia. A potência das três juntas será de 730 megawatts.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas