Logotipo do Site Inovação Tecnológica





Informática

Maior processador do mundo promete acelerar inteligência artificial

Redação do Site Inovação Tecnológica - 20/08/2020

Maior processador do mundo promete acelerar inteligência artificial
Quase do tamanho de uma folha A4, o processador foi inteiramente otimizado para resolver algoritmos de inteligëncia artificial.
[Imagem: Cerebras/Divulgação]

Maior chip do mundo

A empresa emergente Cerebras apresentou seu prometido "chip em escala de wafer", que se tornou o maior processador do mundo - se fosse uma corrida, o segundo colocado nem apareceria na foto.

O objetivo da empresa é lançar servidores dedicados a tarefas de inteligência artificial, rodando programas de aprendizado de máquina com uma velocidade sem precedentes.

Enquanto os processadores de computador comuns são construídos às dúzias em uma pastilha, e depois serrados, o WSE (sigla em inglês para motor em escala de wafer) é um processador gigantesco que cobre toda a área de uma pastilha de silício.

Tudo no WSE é grande em relação aos processadores atuais, como os seus 400.000 núcleos otimizados para rodar os programas de inteligência artificial.

São 21,1 bilhões de transistores espalhados em uma área de 46.225 mm2, o que torna o processador 56 vezes maior do que a maior GPU (acelerador gráfico) já fabricada - cada um dos seus lados mede mais de 21 centímetros.

O WSE também conta com 18 GB de memória integrada no chip, o que é 3.000 vezes mais do que o segundo colocado. E interconexões intrachip de 100 petabits por segundo dão a ele uma largura de banda 33.000 vezes maior do que a concorrência.

Maior processador do mundo promete acelerar inteligência artificial
Três quartos da área do servidor são dedicados à refrigeração.
[Imagem: Cerebras/Divulgação]

Servidor para inteligência artificial

É claro que o processador não vem sozinho, já que não existe uma placa-mãe no mercado que possa recebê-lo. Para isso, a empresa já apresentou seu servidor, chamado CS-1, um gabinete pronto para ser instalado em racks de centrais de dados.

Como consome um pico de até 20 kW de energia, três quartos do gabinete do CS-1 são ocupados por seu sistema de refrigeração.

A Cerebras foi criada por ex-executivos da SeaMicro, uma fabricante de servidores que foi comprada pela AMD em 2015. A existência da nova empresa foi anunciada apenas no final do ano passado.






Outras notícias sobre:
  • Processadores
  • Inteligência Artificial
  • Computação Quântica
  • Software e Programação

Mais tópicos