Logotipo do Site Inovação Tecnológica





Eletrônica

Memória holográfica usa magnetismo em vez de luz

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/02/2014

Memória holográfica magnônica usa magnetismo em vez de luz
O protótipo usado nos experimentos tem apenas 2 bits, mas a equipe espera ampliá-lo rapidamente porque tudo funcionou a temperatura ambiente.
[Imagem: UC Riverside]

Memória holográfica magnônica

Um novo tipo de memória holográfica apresentou uma capacidade de armazenamento de dados sem precedentes.

E o melhor de tudo é que a memória holográfica também tem propriedades que permitem seu uso para o processamento.

Ao contrário de outros componentes holográficos, a nova memória não funciona com base em ondas de luz, mas em ondas de spin, uma oscilação coletiva dos spins em materiais magnéticos.

A equipe, formada por pesquisadores dos EUA e da Rússia, batizou seu novo componente de "memória holográfica magnônica", que vem fazer parte do arsenal de um campo emergente conhecido como spintrônica.

As ondas de spin têm duas vantagens em relação à luz: elas são compatíveis com os componentes eletrônicos atuais e podem operar em comprimentos de onda muito menores, o que significa que os componentes podem ser menores, armazenando mais dados por área.

O feito também é importante por demonstrar experimentalmente que as técnicas holográficas da óptica podem ser aplicadas em estruturas magnéticas, criando o efeito magnônico holográfico.

"Os resultados abrem um novo campo de pesquisa, que deverá ter um impacto tremendo no desenvolvimento de novos componentes lógicos e de memória," disse o professor Alexander Khitun, da Universidade da Califórnia em Riverside.

Memória holográfica magnônica usa magnetismo em vez de luz
A memória holográfica também pode ser usada para processar dados.
[Imagem: Frederick Gertz et al.]

Holografia

Os hologramas estão por todo lado, em notas e cartões de crédito, por exemplo.

Mas esta é apenas uma pequena parte do campo da holografia: já existem hologramas acústicos sendo usados em aplicações sísmicas e hologramas de micro-ondas sendo usados em sistemas de radar, por exemplo.

A holografia magnética, inaugurada agora, permite que os dados sejam lidos e escritos em grandes volumes e de forma paralela, com várias células sendo manipuladas ao mesmo tempo.

Segundo o professor Khitun, depois de quase uma década trabalhando nesta área, o momento eureca veio quando ele decidiu que sua memória holográfica não precisaria substituir os componentes eletrônicos atuais - ela poderia simplesmente complementá-los, trabalhando ao seu lado e tirando proveito dos sistemas já existentes.

Sua ideia é que a memória magnônica - ou magnetrônica - possa ser usada em associação com os processadores eletrônicos na realização de tarefas específicas, como reconhecimento de imagens, reconhecimento de voz e no processamento gráfico.

O protótipo usado nos experimentos tem apenas 2 bits, mas a equipe espera ampliá-lo rapidamente porque tudo funcionou a temperatura ambiente.

Bibliografia:

Artigo: Magnonic Holographic Memory
Autores: Frederick Gertz, A. Kozhevnikov, Y. Filimonov, A. Khitun
Revista: arXiv
Link: http://arxiv.org/abs/1401.5133






Outras notícias sobre:
  • Holografia
  • Transistores
  • Magnetismo
  • Processadores

Mais tópicos