Informática

Conheça o transístor 3D que vai equipar uma nova geração de processadores
Por causa de sua forma vertical, até 30 bilhões de FinFETs podem ser acondicionados em um único chip.[Imagem: Wenjie Lu/MIT]

FinFET

Este transístor 3-D tem menos da metade do tamanho dos transistores usados nos últimos modelos de processadores de computador lançados no mercado.

Para construí-lo, pesquisadores do MIT e da Universidade do Colorado, nos EUA, desenvolveram uma nova técnica de microfabricação que modifica o material semicondutor átomo por átomo.

Isso levou ao extremo a mais nova tendência adotada pela indústria microeletrônica, os transistores 3D fabricados na vertical, lembrando barbatanas de tubarão e, por isso, chamados FinFETs - fin é barbatana em inglês, enquanto FET é a sigla no mesmo idioma para transístor de efeito de campo.

Os FinFETs consistem em uma fina aleta de silício - a barbatana - posicionada verticalmente em um substrato. A porta lógica é essencialmente enrolada na aleta. Por causa de sua forma vertical, até 30 bilhões de FinFETs podem ser acondicionados em um único chip.

Transístor modelado átomo por átomo

Wenjie Lu e seus colegas modificaram uma técnica de gravação química recentemente inventada, chamada de ataque térmico em nível atômico (Thermal Atomic Level Etching), para permitir a modificação precisa dos materiais semicondutores em cada camada de átomos.

Isso possibilitou fabricar transistores 3-D com apenas 2,5 nanômetros e mais eficientes do que os usados nos processadores mais modernos - a partir deste ano, a Apple, a Qualcomm e outras empresas de tecnologia começaram a usar FinFETs de 7 nanômetros.

Já existem outros métodos similares de gravação em nível atômico, mas este mostrou-se mais preciso e produziu transistores de maior qualidade. Além disso, ele aproveita uma ferramenta de microfabricação comum usada para depositar camadas atômicas em materiais, o que significa que a técnica poderia ser rapidamente integrada na indústria.

"Acreditamos que este trabalho terá um grande impacto no mundo real," disse Lu. "Conforme a Lei de Moore continua a reduzir o tamanho dos transistores, fica cada vez mais difícil fabricar esses componentes em nanoescala. Para projetar transistores menores, precisamos ser capazes de manipular os materiais com precisão em nível atômico."





Outras notícias sobre:

    Mais Temas