Logotipo do Site Inovação Tecnológica





Meio ambiente

Manipulação genética substitui paciência e técnica na arte de fazer mini-árvores

Redação do Site Inovação Tecnológica - 30/07/2007

Manipulação genética substitui paciência e técnica na arte de fazer mini-árvores

Pesquisadores da Universidade do Oregon, Estados Unidos, desenvolveram uma técnica de manipulação genética que permite fazer com que árvores que normalmente crescem até dezenas de metros de altura, atinjam poucos centímetros na idade adulta, sem nenhum cuidado especial no cultivo.

Mini-árvores geneticamente modificadas

A foto mostra as mini-árvores geneticamente modificadas à frente de espécimes normais. Elas lembram os bonsais, só que crescem sem exigir a paciência, a técnica e a arte que os japoneses desenvolveram para criar mini-árvores artesanais.

Os cientistas acreditam que as árvores em miniatura geneticamente modificadas poderão ter uma grande aceitação no mercado, principalmente para decoração, tanto interna quanto para jardins.

Mas eles sabem também que, para chegar ao mercado, será necessário que as mini-árvores geneticamente modificados passem pelo crivo da legislação. "Certamente deverá haver preocupações se o mercado para produtos vegetais especiais como esses é grande o suficiente para justificar o enorme investimento de tempo, dinheiro e testes que a legislação atual de organismos geneticamente modificados vai exigir [...]," diz o pesquisador Steven Strauss.

Manipulação genética

A manipulação genética permite não apenas a criação de árvores em miniatura. Na verdade, os cientistas afirmam ser possível programar com grande precisão o tamanho desejado da árvore.

Isso torna possível, por exemplo, o cultivo da mesma espécie de árvore para se colocar sobre a mesa do escritório e, em tamanhos intermediários, para se colocar na sala ou nos canteiros de avenidas. Diferentes manipulações genéticas permitem também variar a cor das folhas e até seu formato.

Bibliografia:

Artigo: Efficiency of gene silencing in Arabidopsis: Direct inverted repeats versus transitive RNAi vectors.
Autores: Filichkin, S.A, S.P. DiFazio, A.M. Brunner, J. M. Davis, Z.K. Yang, U.C. Kalluri, R.S. Arias, E. Etherington, G.A. Tuskan, S.H. Strauss
Revista: Plant Biotechnology Journal
Data: 15-Jun-2007
Vol.: Online
DOI: 10.1111/j.1467-7652.2007.00267.x






Outras notícias sobre:
  • Biotecnologia
  • Impactos sobre o Meio Ambiente
  • Monitoramento Ambiental

Mais tópicos