Nanotecnologia

Nano-elevador demonstra o potencial das máquinas moleculares artificiais

Químicos da Universidade da Califórnia (Estados Unidos) descreveram no último número da revista Science uma máquina artificial molecular que funciona como um nano-elevador.

"Esses dispositivos robóticos em nano-escala podem ter utilização em sistemas de liberação lenta de medicamentos e no controle de reações químicas no interior de sistemas nano-fluídicos como os laboratórios-em-um-chip," explica Jovica Badjic, coordenador do trabalho.

O nano-elevador, um instrumento de três pernas que abarcam uma estrutura plana, pode se mover entre dois níveis. O grande desafio foi a construção dos diversos componentes, de forma que se encaixassem perfeitamente.

O equipamento mede 3,5 nanômetros de diâmetro e 2,5 nanômetros de altura. Cada perna do elevador tem duas estações, sendo que a mais forte baseia-se em ligações de hidrogênio. Esta ligação pode ser quebrada retirando-se um próton de cada perna, um por vez, utilizando um elemento base. O resultado é um movimento de passo entre as duas estações. Movendo-se um passo de cada vez, o nano-elevador lembra mais o movimento de um animal do que de um elevador real. O elevador pode voltar à posição original acrescentando-se o próton retirado, o que é feito adicionando-se um elemento ácido.

As primeiras medições mostraram que o nano-elevador move-se menos do que um nanômetro em cada um dos seus passos e consegue gerar uma força de 200 picoNewtons.

Mas o Dr. Stoddart avisa: "A construção e operação de máquinas moleculares artificiais está hoje onde o avião estava há um século atrás. Nós caminhamos bastante na última década, mas temos um caminho muito longo para percorrer antes de realizar todo o potencial das máquinas moleculares artificiais."





Outras notícias sobre:

    Mais Temas