Mecânica

Tecnologia espacial no Paris-Dakar

Tecnologia espacial no Paris-Dakar

A 25ª edição do rali mais famoso do mundo, o Paris-Dakar, não será tão quente como nos anos anteriores. Pelo menos não para a equipe Pescarola. O carro da equipe, um Nissan Terrano V6, está equipado com várias tecnologias desenvolvidas pela ESA, a Agência Espacial Européia.

Embora neste ano o rali não termine exatamente na capital do Senegal, mas no Egito, a travessia do Saara está garantida. Os participantes viajarão rumo leste, terminando a competição às margens do Mar Vermelho, após mais de 8.500 quilômetros de corrida sob sol escaldante.

Mas os efeitos do calor não deverão ser tão grandes para a equipe Pescarola. Uma das principais tecnologias incorporadas ao carro da equipe é uma tela termal, desenvolvida pela ESA para o foguete Ariane. Instalada no assoalho do carro, próximo ao escapamento, a tela é capaz de manter temperatura do conjunto em cerca de 100º C. Embora pareça muito, a temperatura no escapamento chega normalmente a 800º C nas condições do rali. Além de maior conforto para piloto e co-piloto, ao reduzir a temperatura no interior do carro, a tela reduz enormemente o risco de incêndio no caso de vazamento de gasolina ou óleo.

Os capacetes dos corredores também levam tecnologia espacial. Eles possuem uma camada de elementos sólidos capazes de bombear o calor da parte interna do capacete. Estes elementos utilizam eletricidade para gerar o efeito de resfriamento sem qualquer parte móvel.

Os corredores terão ainda à sua disposição, alimentos e bebidas desenvolvidos para a missão russo-francesa Cassiopéia. São líquidos auto-resfriantes capazes de baixar sua temperatura em até 20º C em poucos segundos, além de alimentos liofilizados que mantém seu sabor original.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas