Robótica

McDonald's utilizará robôs em suas lanchonetes

McDonalds utilizará robôs em suas lanchonetes

A cadeia de lanchonetes McDonald's começa a testar robôs em suas lojas. O objetivo é que toda a preparação dos lanches, da retirada do "freezer" até a colocação do lanche na embalagem que é posta na bandeja do cliente seja feita por robôs. Serão também disponibilizadas máquinas de auto-atendimento para que os clientes possam digitar diretamente seus pedidos. O lanche poderá ser retirado da própria máquina, mas haverá também a possibilidade de que a bandeja seja levada (por humanos) às suas mesas.

Os testes começaram na unidade experimental da rede, localizada em Romeoville, no estado de Illinois (Estados Unidos). A loja, chamada de "Core Innovation Center", é uma espécie de laboratório avançado, freqüentada basicamente por funcionários. É lá que a rede desenvolve os equipamentos e as rotinas de trabalho que serão disseminados por suas lojas ao redor do mundo. Até os horários de pico são simulados. O McDonald's tem hoje 31.276 de lojas em 119 países. Só no Brasil são 584.

Apesar de todo o esforço tecnológico, a empresa afirma que o objetivo da automação será a liberação do gerente da loja, que poderá ter maior contato como o público. Os atendentes também, afirma o porta-voz da empresa, não serão de todo eliminados, uma vez que há muitos clientes que não gostam de lidar com máquinas, preferindo o atendimento pessoal.

As máquinas de auto-atendimento já estão presentes em lojas normais da rede, nas cidades de Denver e Raleigh. Por enquanto elas aceitam apenas dinheiro, mas logo estarão disponíveis versões que aceitam cartões de débito e de crédito.

O robô-fazedor-de-hambúrgueres, criado na Suécia, pega os hambúrgueres no "freezer", encaminha-os à chapa por meio de uma esteira, vira-os no tempo certo, retira da chapa e embala. O tempo de fritura permanece o mesmo, mas o tempo total da operação tem uma redução significativa.

Já o robô-fazedor-de-batatas-fritas não apenas faz todo o trabalho, como também, salga e envelopa as batatas. Um braço robótico coleta as batatas já fritas, na quantidade adequada a cada embalagem, salga e já as disponibiliza nos escaninhos de onde podem ser retiradas pelo funcionários do balcão e entregues ao cliente.

A empresa estima que não apenas os custos de funcionamento das lojas serão reduzidos, mas também o tempo de atendimento será menor, uma vez que a automação permitirá uma velocidade mais alta e um ritmo mais constante da preparação dos lanches.

O treinamento dos funcionários também já está sendo automatizado, com as salas de aula sendo substituídas pelo "e-learning". Por meio de CD-ROMs, os cursos podem ser acompanhados no ritmo de cada novo funcionário. Parecido com um jogo de vídeogame em uma "lan-house", com interatividade e competições entre os participantes, o treinamento insiste sempre: "Sorria bastante e diga 'Olá' e 'Muito obrigado'."

Outro projeto, já em andamento, é a disponibilização de acesso à Internet nas lojas McDonald's. Nos Estados Unidos o preço da conexão é de US$4,95 para cada 2 horas.

Agora os robôs-cozinheiros serão instaladas nas lojas da região de Chicago, onde deverão ser acompanhados em escala real de produção.







Outras notícias sobre:

Mais Temas