Nanotecnologia

Micro-microscópio optofluídico sem lentes
Embora seja similar aos tradicionais microscópios ópticos de lentes, tanto em resolução quanto em poder de aumento, o novo microscópio optofluídico é do tamanho de uma moeda de 1 centavo. [Imagem: Heng et al./Lab on a Chip]

Luz canalizada

Pesquisadores do Instituto de Pesquisas da Califórnia, Estados Unidos, anunciaram o desenvolvimento de um microscópio optofluídico, que não utiliza lentes e que poderá revolucionar o diagnóstico de certas doenças, como a malária, por exemplo.

O novo microscópio combina a tecnologia utilizada para a construção dos chips de computador com a microfluídica - a tecnologia que lida com quantidades minúsculas de líquidos.

Embora seja similar aos tradicionais microscópios ópticos de lentes, tanto em resolução quanto em poder de aumento, o novo microscópio optofluídico é do tamanho de uma moeda de 1 centavo. Incluindo todo o aparato eletrônico necessário ao seu funcionamento - circuitos e tela - ele não será maior do que um iPod.

"Esta é uma nova forma de se fazer microscopia," diz Changhuei Yang, coordenador da pesquisa. "Se você consegue ver [o objeto] em um microscópio convencional e ele puder fluir através de um microcanal, então nós podemos fotografá-lo com esse minúsculo chip."

Microscópio optofluídico

Normalmente, a imagem captada no interior do microcanal de um chip microfluídico seria de baixíssima resolução - já que o objeto a ser visualizado interromperia a luz em um único pixel.

Mas os pesquisadores resolveram esse problema colando uma película metálica ao chip microfluídico - também conhecido como microlaboratório ou "lab-on-a-chip".

A película contém um padrão de aberturas nanoscópicas, espaçadas de tal forma que as linhas adjacentes se sobrepõem, fazendo com que todas as partes do alvo sejam fotografadas.

Os pesquisadores não quiseram fazer uma estimativa de quanto tempo levará para que seu microscópio optofluídico chegue ao mercado.

Microscópio portátil

O protozoário que causa a malária é apenas um exemplo dos organismos que podem ser visualizados pelo novo micro-microscópio.

Hoje, o diagnóstico da doença exige a coleta de amostras de sangue e seu envio para laboratórios, geralmente distantes dos locais onde a doença mais ocorre.

Um microscópio do tamanho de uma moeda poderá permitir que os diagnósticos um dia venham a ser feitos ao lado do paciente.

Bibliografia:

Optofluidic microscopy - a method for implementing a high resolution optical microscope on a chip
Xin Heng, David Erickson, L. Ryan Baugh, Zahid Yaqoob, Paul W. Sternberg, Demetri Psaltis, Changhuei Yang
Lab on a Chip
Vol.: 6, 1274-1276
DOI: 10.1039/b604676b




Outras notícias sobre:

    Mais Temas