Plantão

Estudantes batizam asteroide de Brasileirinhos

Asteroide Brasileirinhos

A União Astronômica Internacional (UIA) reconheceu o nome Brasileirinhos para o asteroide 15453 (XD96), descoberto em 1998, pelo astrofísico venezuelano, Orlando Naranjo.

O nome foi sugerido pelos estudantes da Escola Municipal Maria Pavanati Favaro, em Campinas (SP), após conquistarem o prêmio Super Solução do 3º Grande Desafio, evento organizado pelo Museu Exploratório de Ciências (MC), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

O registro do nome pode ser encontrado na página da National Aeronautics and Space Administration, a Nasa. Como consta na descrição do registro, Brasileirinhos é uma homenagem a todos os estudantes brasileiros, como forma de incentivá-los a atingir as metas necessárias em seus estudos.

É a segunda vez que o Museu Exploratório de Ciências da Unicamp alcança o espaço. Em 2007, com o desafio Apagar o foco de incêndio na floresta, os alunos do Colégio Oswaldo Cruz, de Ourinhos (SP), batizaram o asteroide 12367, do mesmo pesquisador, com o nome daquela cidade.

Em 2009, Você é capaz de salvar uma espécie em extinção? deu a professora de ciências, Rosa Maria Siviero, e aos alunos Danklas Santos, Fernando Cezar Filho, David Macedo, Heloísa de Souza, Jônatas Santos e Michael da Silveira, a oportunidade de refazer o feito, homenageando estudantes de todo o País.

Prêmio para a eternidade

Para a diretora educacional do Museu, Adriana Rossi, batizar um asteroide supera o imediatismo dos prêmios materiais e, no sentido etimológico da palavra, eleva o mérito das equipes para limites universais.

"Receber isso como reconhecimento pelo sucesso indica o valor do esforço realizado. Serve de estímulo para trabalhar com ciência e qualquer outra tarefa que requeira dedicação e esforço coletivo", disse.

Poder nomear um asteroide é para sempre, nada de um prêmio material que acaba ou uma atividade que também tem fim. Ter essa honra supera o imediatismo e leva o mérito das equipes para limites universais, até no sentido etimológico da palavra. E receber isso como reconhecimento pelo sucesso numa tarefa deve indicar o valor do esforço realizado. Isso deve servir como um super estímulo para começar a trabalhar com ciência e qualquer outra tarefa que requeira dedicação e esforço coletivo, como o GD.

Não foi tão simples escolher o nome do asteroide. Para chegar até Brasileirinhos, os estudantes atenderam uma série de exigências da UIA. O nome não podia conter mais de 16 caracteres; preferencialmente ter apenas uma palavra; não ser ofensivo; ser pronunciável em qualquer idioma; não se parecer com outro nome já sugerido.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas