Logotipo do Site Inovação Tecnológica





Espaço

A natureza é decididamente imprevisível, dizem físicos

Redação do Site Inovação Tecnológica - 14/07/2012

Deus joga dados: a natureza é decididamente imprevisível
O experimento idealizado pelo Dr. Tittel envolveu medições sobre pares entrelaçados de fótons, usando um aparato que permite que cada fóton possa tomar apenas um de dois caminhos possíveis.
[Imagem: UCalgary]

Natureza imprevisível

Em um artigo que promete desmerecer os palpites de todos os futurólogos e balançar os fundamentos de quase todas as previsões, pesquisadores da mecânica quântica afirmam que a natureza é decididamente imprevisível.

Muitas das previsões que fazemos no dia-a-dia são vagas, e, na maioria das vezes, mostram-se incorretas. Isto porque temos informações incompletas, por exemplo, quando tentamos prever o tempo.

Na mecânica quântica a coisa é pior porque, mesmo se toda a informação estiver disponível, os resultados de determinados experimentos geralmente não podem ser previstos perfeitamente de antemão.

Essa incapacidade de prever com precisão os resultados de experimentos na física quântica tem sido objeto de um longo debate, datando das discussões entre Einstein e seus colegas.

Assim, embora pareça uma ferramenta inadequada para prever resultados, os pesquisadores agora afirmam que a teoria quântica está perto do ideal em termos de seu poder preditivo.

Deus joga dados justos

"Em nosso experimento, mostramos que qualquer teoria na qual houver significativamente menos aleatoriedade [do que na mecânica quântica] está destinada ao fracasso: a teoria quântica fornece essencialmente o limite final na previsibilidade do Universo," garante o Dr. Wolfgang Tittel, da Universidade de Calgary, no Canadá.

O Dr. Renato Renner, professor na ETH em Zurique, coautor do estudo, acrescenta: "Em outras palavras, não só Deus joga dados, mas seus dados são limpos."

A referência lembra Albert Einstein, que disse em uma carta a seu colega Max Born que não acreditava que Deus jogasse dados, significando que ele, Einstein, acreditava em leis muito precisas e definidas da natureza - Einstein não tinha muita simpatia pela mecânica quântica.

O trabalho de Tittel e seus colegas contesta essa pretensa precisão, dando razão ao filósofo David Hume, que afirmava que as chamadas "leis científicas" são meras probabilidades, e que nada impede que eventos futuros venham contestar eventos observados antes.

Aleatoriedade e incerteza

A aleatoriedade é uma das principais características da teoria quântica, geralmente expressa pelo Princípio da Incerteza de Heisenberg.

Esse comportamento estranho tornou-se amplamente conhecido mesmo fora da comunidade científica, graças a experimentos como o gato de Schrodinger, partículas que percorrem dois caminhos simultaneamente, além de todos os trabalhos na área da computação quântica.

Mais recentemente, cientistas propuseram que mesmo a função de onda, uma construção matemática que descreve as partículas, é uma entidade física real.

"Seu apelo é a sua natureza fundamental e sua ampla gama de implicações: conhecer a configuração precisa do universo no Big Bang não seria suficiente para prever a sua evolução completa, em contraste, por exemplo, com a teoria clássica," explica Tittel.

Bibliografia:

Artigo: Experimental Bound on the Maximum Predictive Power of Physical Theories
Autores: Terence E. Stuart, Joshua A. Slater, Roger Colbeck, Renato Renner, Wolfgang Tittel
Revista: Physical Review Letters
Vol.: 109, 020402
DOI: 10.1103/PhysRevLett.109.020402






Outras notícias sobre:
  • Universo e Cosmologia
  • Spintrônica
  • Computação Quântica
  • Metrologia e Padronização

Mais tópicos