Robótica

Enxame de microssondas na atmosfera de Júpiter

Enxame de microssondas na atmosfera de Júpiter
As microssondas seriam nanossatélites (cubesats) especialmente adaptados para suportar o ambiente pouco convidativo da atmosfera de Júpiter.[Imagem: John E. Moores et al. - 10.1504/IJSPACESE.2014.066960]

Mergulho atmosférico

Enviar sondas espaciais a gigantes gasosos como Júpiter e Saturno é um grande desafio porque a sonda é rapidamente destruída conforme mergulha nas altas pressões da atmosfera densa desses planetas.

John Moores e seus colegas da Universidade de Iorque, no Canadá, acreditam ter encontrado uma solução.

A ideia consiste em enviar um enxame de sondas muito pequenas, cada uma delas dotada de um sensor diferente, e aspergir a frota de microssondas na alta atmosfera do planeta.

Moores calcula que cada sonda deverá durar cerca de 15 minutos em queda livre, tempo suficiente para fornecer informações de uma grande parte da atmosfera do planeta, muito mais do que seria possível com uma sonda única, mesmo que mais sofisticada.

"Nosso conceito mostra que, para uma sonda pequena o suficiente, você pode dispensar o pára-quedas e ainda assim contar com tempo suficiente na atmosfera para capturar dados significativos e manter o retransmissor próximo e a taxa de dados elevada," disse Moores.

Retransmissão de dados

Sondas pesando mais do que 300 kg, descendo em Júpiter, precisam de um pára-quedas, que as faz descer muito lentamente. Isso porém, tem o efeito líquido de reduzir a quantidade de dados que elas transmitem porque a sonda em órbita responsável pela retransmissão dos dados para a Terra precisa ficar muito longe, explica o pesquisador.

Com as sondas pequenas - pesando menos de um quilograma -, a expectativa é que se alcance uma taxa de 20 megabits de dados durante os 15 minutos de vida útil dos sensores, o que gerará uma quantidade de dados muito maior do que a gerada por qualquer sonda de grande porte.

Segundo a equipe, uma missão que leve um conjunto de microssondas ao sistema joviano poderá operar em conjunto com a sonda JUICE, da ESA, que estará por lá a partir do final da década de 2020 procurando vida nas luas de Júpiter.

A equipe batizou sua missão de SMARA (SMAll Reconnaissance of Atmospheres) e agora espera convencer uma das agências espaciais a investir na ideia.

Bibliografia:

The small reconnaissance of atmospheres mission platform concept
John E. Moores, Kieran A. Carroll, Isaac DeSouza, Kartheephan Sathiyanathan, Barry Stoute, Jinjun Shan, Regina S. Lee, Ben Quine
International Journal of Space Science and Engineering
Vol.: 2 (4): 327
DOI: 10.1504/IJSPACESE.2014.066960




Outras notícias sobre:

    Mais Temas