Logotipo do Site Inovação Tecnológica





Espaço

A impressionante imagem do céu em visão de raios X

Redação do Site Inovação Tecnológica - 19/06/2020

A impressionante imagem do céu em visão de raios X
Para gerar essa imagem, na qual o céu inteiro é projetado em uma elipse (chamada projeção de Aitoff), com o centro da Via Láctea no meio e o corpo da galáxia estendendo-se horizontalmente, os fótons são codificados por cores de acordo com seus níveis de energia (vermelho para energias entre 0,3-0,6 keV, verde para 0,6-1 keV e azul para 1-2,3 keV).
[Imagem: Jeremy Sanders/Hermann Brunner(eSASS-Team/Eugene Churazov/Marat Gilfanov(IKI)]

Raio X do Universo

Se você tivesse a visão de raios X do Super-Homem, é assim que veria o céu.

Esta, que é a primeira imagem de todo o céu na faixa de altas energias, foi feita pelo telescópio espacial eRosita, lançado no ano passado.

Resultado de uma compilação dos primeiros seis meses de observação do telescópio de raios X, esta imagem contém mais de um milhão de objetos individuais, o que significa que, nesse curto período de tempo, o eRosita mais do que dobrou o número de fontes de raio X conhecidas desde que a astronomia tornou-se capaz de enxergar essas fontes "quentes".

"Esta imagem do céu muda completamente a maneira como olhamos para o universo energético," disse Peter Predehl, do Instituto Max Planck de Física Extraterrestre, na Alemanha. "Vemos uma riqueza de detalhes - a beleza das imagens é realmente impressionante."

Embora a maioria das classes de objetos astronômicos produza emissões em raios X, o lado quente e energético do Universo parece bem diferente daquele visto pelos telescópios ópticos ou pelos radiotelescópios.

A impressionante imagem do céu em visão de raios X
Devido ao seu tamanho e distância da Terra, o remanescente da supernova Vela é um dos objetos mais importantes do céu visto em raios X.
[Imagem: Peter Predehl/Werner Becker(MPE)/Davide Mella]

O que os raios X mostram do Universo

Olhando para fora do corpo de nossa galáxia, a maioria das fontes captadas pelo eROSITA são núcleos galácticos ativos, buracos negros supermassivos a distâncias cosmológicas, intercalados com aglomerados de galáxias, que aparecem como halos de raios X extensos, que brilham graças ao gás quente confinado por suas enormes concentrações de matéria escura.

A imagem também revela em detalhes a estrutura do gás quente na própria Via Láctea e o meio circungaláctico que a cerca, cujas propriedades são essenciais para entender a história da formação da nossa galáxia.

O mapa de raios X da eROSITA revela ainda estrelas com coronas quentes e magneticamente ativas, estrelas binárias de raios X contendo estrelas de nêutrons, buracos negros ou anãs brancas, e remanescentes de supernovas, na Via Láctea e em outras galáxias, como as nuvens de Magalhães.

E este novo mapa do céu em raios X está provocando um efeito cascata em toda a astronomia: Como ele revelou uma quantidade de objetos emitindo raios X equivalente o tudo o que havia sido descoberto até hoje nesse comprimento de onda, os astrônomos estão correndo para outros telescópios para cruzar os dados e verificar do que se trata cada um deles.

E isto sem contar as emissões-supresa: "O eROSITA frequentemente vê explosões inesperadas de raios X no céu. Precisamos alertar os telescópios terrestres imediatamente para entender o que os está produzindo," disse Mara Salvato, responsável por fazer a ponte entre as observações em raios X e aquelas feitas por outros telescópios, em outras faixas do espectro eletromagnético.






Outras notícias sobre:
  • Universo e Cosmologia
  • Telescópios
  • Corpos Celestes
  • Radiação Eletromagnética

Mais tópicos