Logotipo do Site Inovação Tecnológica





Eletrônica

Luz fica presa em cristal, pronta para aplicações

Redação do Site Inovação Tecnológica - 05/08/2015

Luz fica presa em cristal, pronta para aplicações
Em vez de seguir rotas aleatórias, os polaritons se propagam ao longo de ângulos fixos com relação à estrutura atômica hexagonal dos cristais.
[Imagem: Fogler Group/UC San Diego]

Polaritons

A capacidade de capturar e aprisionar a luz pode resultar não apenas em memórias ópticas e processadores fotônicos, mas também em lentes perfeitas, capazes de gerar imagens sem qualquer distorção.

É por isso que está causando tanto entusiasmo a descoberta de Zhiyuan Sun e seus colegas da Universidade da Califórnia em San Diego.

Sun descobriu que nanocristais de nitreto de boro conseguem aprisionar a luz.

Na forma de polaritons - ondas que se comportam como quasipartículas - a luz se propaga ao longo de ângulos precisos na estrutura atômica do material.

A novidade é que a luz de cores específicas não escapa rapidamente, formando circuitos fechados, orbitando continuamente os nanocristais.

Luz presa no cristal

O fenômeno significa que essas quasipartículas de luz, conforme se propagam entre os nanocristais, desobedecem as leis tradicionais da reflexão.

Mas elas também não seguem rotas aleatórias: os polaritons se propagam ao longo de ângulo fixos com relação à estrutura atômica hexagonal dos cristais.

Quando a luz na frequência correta é disparada no cristal, formam-se "pontos quentes", locais onde emergem campos elétricos muito mais fortes do que aqueles formados com a luz de outras frequências.

Os pesquisadores ainda estão procurando formas para tirar proveito da luz aprisionada, mas eles acreditam que a técnica permitirá a criação de nanorressonadores para imageamento espectral e filtros de cores de alta resolução, hiperlentes para imageamento subdifracional e fontes fotônicas.

Bibliografia:

Artigo: Hamiltonian Optics of Hyperbolic Polaritons in Nanogranules
Autores: Zhiyuan Sun, A. Gutiérrez-Rubio, D. N. Basov, Michael M. Fogler
Revista: Nano Letters
Vol.: 15 (7), pp 4455-4460
DOI: 10.1021/acs.nanolett.5b00814






Outras notícias sobre:
  • Fotônica
  • Computação Quântica
  • Spintrônica
  • Vidros

Mais tópicos