Logotipo do Site Inovação Tecnológica





Materiais Avançados

Matriz extracelular sintética revoluciona campo da fisiologia

Redação do Site Inovação Tecnológica - 05/01/2012

Matriz extracelular sintética revoluciona campo da fisiologia
Cientistas criaram uma versão sintética da matriz extracelular, o material que garante as condições físicas e químicas para o crescimento dos tecidos dos seres vivos.
[Imagem: NPL]

Tecidos artificiais

Cientistas britânicos criaram uma versão sintética e totalmente funcional da matriz extracelular, o material que dá suporte para o crescimento das células nos seres vivos.

O novo material representa o ponto de partida para o desenvolvimento de tecidos artificiais, um sonho da chamada medicina regenerativa, que busca a reconstrução de tecidos danificados.

No limite, embora ainda seja um sonho distante, os cientistas esperam poder crescer órgãos inteiros para transplantes.

É a matriz extracelular, por exemplo, que garante que um tecido ferido possa se regenerar e cicatrizar.

Da nanoescala à microescala

Embora seja trivial fazer culturas de células em laboratório, fazê-las crescer em três dimensões, como ocorre no organismo, é um desafio a ser vencido.

Até agora, os biólogos vêm se virando com vários tipos de suportes e "andaimes", onde as células se apoiam para crescer.

No organismo, as células se valem da matriz extracelular, um complexo de macromoléculas muito estáveis que garante a sustentação e a estrutura biomecânica dos tecidos.

Ela consiste em uma estrutura de fibras de proteína que faz a ponte entre a dimensão em nanoescala da fixação, da comunicação e da alimentação das células, e a dimensão em microescala, onde as células se organizam em segmentos funcionais.

Imitar essa estrutura com materiais sintéticos é um sonho antigo dos cientistas.

Matriz extracelular sintética

Fibras de peptídeos têm propriedades similares às das proteínas que formam a matriz extracelular natural, mas elas não conseguem gerar as malhas interconectadas em escala microscópica, o que é essencial para manter as células juntas e permitir o desenvolvimento dos tecidos.

Angelo Bella e seus colegas do Laboratório Nacional de Física do Reino Unido resolveram o problema projetando uma pequena proteína, formada por duas unidades estruturais.

Essas estruturas se espalham em redes de fibras de dimensões microscópicas, preenchendo o hiato que faltava nos materiais artificiais.

Os resultados dos testes de crescimento celular foram entusiasmadores, o que está fazendo com que a matriz extracelular sintética seja apontada como um dos avanços mais significativos nos últimos anos no campo da fisiologia.

Bibliografia:

Artigo: Arbitrary Self-Assembly of Peptide Extracellular Microscopic Matrices
Autores: Angelo Bella, Santanu Ray, Michael Shaw, Maxim G. Ryadnov
Revista: Angewandte Chemie International Edition
Vol.: Article first published online
DOI: 10.1002/anie.201104647





Outras notícias sobre:
  • Biotecnologia
  • Biomecatrônica
  • Saúde e Reabilitação
  • Saúde e Reabilitação

Mais tópicos