Logotipo do Site Inovação Tecnológica





Plantão

Nanotecnologia brasileira terá investimentos de R$ 30 milhões

Com informações do MCTI - 01/04/2013


O desenvolvimento de produtos inovadores com base em nanotecnologia tem R$ 30 milhões em recursos de subvenção econômica, não reembolsáveis, para empresas brasileiras de qualquer tamanho.

Parte do primeiro pacote do Plano Inova Empresa, a seleção pública apoia pesquisas que envolvam risco tecnológico e oportunidades de mercado.

Serão contemplados projetos relacionados a plásticos e borrachas (R$ 12 milhões), papel e celulose (R$ 10 milhões) e higiene pessoal, perfumaria e cosméticos (R$ 8 milhões).

"Quando você pensa em inovação em produtos de alto desempenho e alto valor agregado, não há futuro industrial sem a nanotecnologia," diz o coordenador-geral de Micro e Nanotecnologias do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Flávio Plentz.

"Ela já está e vai estar cada vez mais no cerne de qualquer inovação revolucionária. Dentro desse espírito, o governo federal apoia a inovação em áreas estratégicas para o Brasil, identificadas por carregar competência nacional e potencial de mercado mundial para as empresas", complementa.

O prazo para as empresas enviarem propostas termina em 16 de maio. Os recursos serão repassados pela FINEP.

Áreas da nanotecnologia

De acordo com Plentz, a escolha dos temas apoiados teve como base sugestões do Comitê Interministerial de Nanotecnologia e pesquisas de mercado.

"Em plásticos e borrachas, por exemplo, para estreitar o enfoque, nos ancoramos num estudo que apontava que o Brasil tem um grande mercado para embalagens", conta o coordenador. "A nanotecnologia pode ajudar a preservar o alimento, que não oxida e mantém suas qualidades."

Os R$ 12 milhões destinados a plásticos e borrachas buscam incentivar o desenvolvimento de produtos com barreiras de gases ou umidade - característica útil em embalagens e até em bolas de tênis, para retardar o esvaziamento -, mas uma segunda linha inclui propriedades antimicrobianas, possível em geladeiras, máquinas de lavar e meias que evitam chulé.

Em papel e celulose, Plentz destacou que os produtos, como nanofibras e nanopartículas, devem ser feitos a partir de biomassa. "Consideramos isso estratégico, tendo em vista a disponibilidade da matéria-prima no Brasil e a competência nacional na produção", explica. "E a nanocelulose está ganhando muita atenção internacional".

As inovações podem conferir propriedades de resistência e flexibilidade a polímeros, como PVC e garrafas PET.

Consolidado no cenário nacional, o tema de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos já lançou produtos de sucesso, como protetores solares. "É uma área da nanotecnologia em que o Brasil tem conhecimento", informa Plentz. "Realmente temos mercado e empresas trabalhando de forma consistente."







Outras notícias sobre:
  • Políticas de Ciência e Tecnologia
  • Nanotubos
  • Grafeno
  • Micro e Nano Robôs

Mais tópicos