Logotipo do Site Inovação Tecnológica





Espaço

Nebulosas planetárias alinham-se de modo misterioso

Redação do Site Inovação Tecnológica - 05/09/2013

Nebulosas planetárias alinham-se de modo misterioso
Esta nebulosa planetária está localizada na constelação de Cassiopeia. A forma, que lembra uma borboleta ou ampulheta, foi moldada quando uma estrela como o Sol se aproximou do final da sua vida e soprou suas camadas exteriores para o espaço circundante.
[Imagem: NASA/ESA]

Astrônomos usaram os telescópios em terra do ESO, localizados no Chile, e o Telescópio Espacial Hubble para explorar mais de 100 nebulosas planetárias situadas no bojo central da nossa galáxia.

O que eles descobriram é que os membros em forma de borboleta desta família cósmica tendem a alinhar-se misteriosamente - um resultado surpreendente tendo em vista suas histórias diferentes e propriedades variadas.

Nebulosas planetárias

Nas últimas fases da sua vida, uma estrela como o Sol lança suas camadas exteriores para o espaço, dando origem a objetos chamados nebulosas planetárias, que apresentam uma variedade de formas bonitas e intrigantes.

Um dos tipos destas nebulosas, conhecidas como nebulosas planetárias bipolares, formam ampulhetas ou borboletas cósmicas em torno das suas estrelas progenitoras.

Cada uma dessas nebulosas formou-se em locais diferentes e apresenta diferentes características - nem mesmo as nebulosas individuais ou as estrelas que as formaram interagiriam com outras nebulosas planetárias.

No entanto, as observações agora mostraram semelhanças surpreendentes entre algumas destas nebulosas: muitas delas alinham-se no céu da mesma maneira - o "eixo maior" de uma nebulosa planetária bipolar corta as asas da borboleta, enquanto o "eixo menor" corta o corpo.

"Esta é verdadeiramente uma descoberta surpreendente e, se for confirmada, uma descoberta muito importante," explica Bryan Rees da Universidade de Manchester, um dos dois autores do artigo científico que apresenta estes resultados.

Tipos de nebulosas

Os astrônomos observaram 130 nebulosas planetárias no bojo central da Via Láctea e identificaram três tipos diferentes destes objetos: elíptica, com ou sem uma estrutura interna alinhada e bipolar.

"Enquanto duas destas populações estavam alinhadas no céu de modo completamente aleatório, como o esperado, descobrimos que a terceira - as nebulosas bipolares - mostrava uma preferência surpreendente por um determinado alinhamento," diz o segundo autor do artigo, Albert Zijlstra, também da Universidade de Manchester. "Apesar de qualquer alinhamento ser por si só uma surpresa, encontrá-lo na região central muito populosa da Galáxia é ainda mais inesperado."

A principal hipótese levantada para explicar o fenômeno fica por conta dos fortes campos magnéticos existentes no bojo superlotado do centro galáctico - mas esses campos magnéticos ainda não são bem compreendidos, sobretudo em relação à sua atuação no processo de formação das galáxias.

Apesar das propriedades das suas estrelas progenitoras darem forma a estas nebulosas, esta nova descoberta aponta para outro fator ainda desconhecido.

Bibliografia:

Artigo: Alignment of the Angular Momentum Vectors of Planetary Nebulae in the Galactic Bulge
Autores: B. Rees, A. A. Zijlstra
Revista: Monthly Notices of the Royal Astronomical Society
Vol.: Accepted paper
Link: //topicos






Outras notícias sobre:
  • Corpos Celestes
  • Telescópios
  • Universo e Cosmologia
  • Exploração Espacial

Mais tópicos