Logotipo do Site Inovação Tecnológica





Espaço

Planeta anão Ceres pode ter oceano subterrâneo

Redação do Site Inovação Tecnológica - 11/08/2020

Planeta anão Ceres pode ter oceano subterrâneo
Os enigmáticos pontos brilhantes seriam "derramamentos" de um oceano subterrâneo.
[Imagem: Nasa/Jpl-Caltech/Ucla/Mps/Dlr/Ida]

Oceano em Ceres

Os enigmáticos pontos brilhantes do planeta anão Ceres parecem esconder segredos muito mais significativos do que o mais otimista dos astrônomos apostaria.

Dados da sonda espacial Dawn, da NASA, dão indicações de que pode haver um oceano subterrâneo em Ceres, um corpo celestes que orbita o Sol entre Marte e Júpiter, no Cinturão de Asteroides.

Antes de esgotar seu combustível, a sonda Dawn orbitou Ceres de 2015 a 2018, dando rasantes a apenas 35 km da superfície da cratera Occator, o maior ponto brilhante.

"Estou extremamente entusiasmada por encontrar alguns indícios de água líquida, aliada ao fato de este corpo possuir muitos minerais muito interessantes para a formação da vida," afirmou Maria Cristina De Sanctis, pesquisadora do Instituto Nacional de Astrofísica da Itália. "É uma boa combinação de compostos químicos que ajudam na formação de moléculas biológicas."

Segundo essa nova hipótese, os pontos brilhantes, uma espécie de "erupções" claras, contrastando com o solo escuro do planeta anão, podem ser derramamentos do grande corpo líquido abaixo da superfície.

Planeta anão Ceres pode ter oceano subterrâneo
A superfície de Ceres dá pistas da ação de água líquida no passado.
[Imagem: INAF/ASI/NASA/DLR/MPS/A.Frigeri-IAPS-INAF]

Compostos envolvidos com a vida

As primeiras análises já haviam indicado que os derramamentos eram compostos de sais e marcados pela presença de compostos orgânicos nativos.

Agora a equipe identificou a presença de cloreto de sódio hidratado, o que De Sanctis e seus colegas consideram uma evidência muito mais forte de um oceano subterrâneo. Os pontos brilhantes seriam compostos então por uma espécie de salmoura, que assumiria uma consistência pastosa ao chegar à superfície, antes de finalmente endurecer.

Esses tipos de sais são extremamente importantes para manter a água líquida, defende a pesquisadora, ao menos aqui na Terra, e estão sempre associados a processos que se acredita envolvidos com a emergência de vida.

Comparando essa composição química com crateras de impacto presentes na mesma região do planeta anão, a equipe estima que o oceano está a cerca de 40 km abaixo da superfície, mas não há dados suficientes para estimar suas dimensões.

Bibliografia:

Artigo: Fresh emplacement of hydrated sodium chloride on Ceres from ascending salty fluids
Autores: M. C. De Sanctis, E. Ammannito, A. Raponi, A. Frigeri, M. Ferrari, F. G. Carrozzo, M. Ciarniello, M. Formisano, B. Rousseau, F. Tosi, F. Zambon, C. A. Raymond, C. T. Russell
Revista: Nature Astronomy
Vol.: 4, pages 786-793
DOI: 10.1038/s41550-020-1138-8

Artigo: Impact heat driven volatile redistribution at Occator crater on Ceres as a comparative planetary process
Autores: P. Schenk, J. Scully, D. Buczkowski, H. Sizemore, B. Schmidt, C. Pieters, A. Neesemann, D. O’Brien, S. Marchi, D. Williams, A. Nathues, M. De Sanctis, F. Tosi, C. T. Russell, J. Castillo-Rogez, C. Raymond
Revista: Nature Astronomy
Vol.: 11, Article number: 3679
DOI: 10.1038/s41467-020-17184-7





Outras notícias sobre:
  • Corpos Celestes
  • Exploração Espacial
  • Sondas Espaciais
  • Universo e Cosmologia

Mais tópicos