Informática

Plataformas de petróleo estão vulneráveis ao ataque de hackers
"O cenário de pior caso, é claro, é aquele no qual um hacker conseguirá invadir e tomar o controle de toda a plataforma," dizem os pesquisadores.[Imagem: Divulgação]

As plataformas de petróleo operando em alto mar têm sistemas inadequados de segurança da informação, o que as deixa altamente vulneráveis aos ataques de hackers, vírus e vermes digitais.

O alerta foi feito por pesquisadores do instituto de pesquisas SINTEF, que abrange os países escandinavos.

Invadindo uma plataforma de petróleo

Os cientistas afirmaram que as companhias petrolíferas fizeram um bom trabalho no tocante à tecnologia de exploração de petróleo e aos cuidados com o meio ambiente e a segurança e saúde dos trabalhadores. Mas ficaram a dever no quesito segurança da informação.

"O cenário de pior caso, é claro, é aquele no qual um hacker conseguirá invadir e tomar o controle de toda a plataforma," explica Martin Gilje Jaatun, um dos membros da equipe que estudou plataformas petrolíferas de várias empresas.

"Felizmente isso ainda não aconteceu, mas nós registramos um grande número de incidentes que poderiam ter se transformado em algo deveras dramático. Por exemplo, ataques de vírus já fizeram com que um processo controlado eletronicamente se tornasse instável," diz Jaatun.

Plataformas robotizadas

As plataformas de petróleo são verdadeiras fábricas quase inteiramente automatizadas e totalmente interligadas por sistemas eletrônicos de sensores e atuadores, que monitoram e controlam a produção 24 horas por dia.

Um ataque malicioso que consiga entrar no sistema de controle da plataforma poderá eventualmente controlar todo o seu processo produtivo. Com um pouco mais conhecimento do próprio processo, o invasor seria capaz de gerar erros que levariam a "consequências desastrosas," segundo os pesquisadores.

O avanço das tecnologias e a necessidade de diminuição dos custos traçou uma tendência clara de que a exploração petrolífera em alto mar seja crescentemente robotizada nos próximos anos, o que poderá deixá-las ainda mais vulneráveis a ataques, caso medidas adequadas de segurança não forem adotadas.

Criação de métricas

A principal origem das fragilidades encontradas pelos pesquisadores é a interligação das plataformas com os controles em terra. A exploração de petróleo segue o que se chama "operação integrada," em que o contato plataforma marítima-central de controle em terra é totalmente transparente - a maioria dos processos na plataforma são controlados pelo pessoal em terra por meio de PCs em rede.

Os pesquisadores fizeram entrevistas pormenorizadas com o pessoal envolvido em funções-chave de empresas petrolíferas operando na Noruega e na Finlândia e confirmaram que o número de incidentes de segurança nas plataformas vem subindo ano a ano.

"O estudo de segurança da informação nas plataformas mostrou que existe uma necessidade de criar métricas para medir os efeitos dos esforços dispendidos no aumento da segurança. Nós precisamos desenvolver novos mecanismos de mensuração que possam demonstrar como as diferentes formas de lidar com as contingências de segurança afetam questões básicas do negócio, como o tempo de operação e a lucratividade," recomendaram os pesquisadores.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas