Plantão

SMOS, o satélite da água, está a pleno vapor

Satélite da água está a pleno vapor
O chamado satélite da água está pronto para fornecer as imagens globais de hidratação do solo e salinidade dos oceanos, de forma a melhorar a compreensão do ciclo da água na Terra.[Imagem: ESA/AOES Medialab]

A sonda espacial SMOS, da Agência Espacial Europeia (ESA), completou seis meses de atividade esta semana, iniciando formalmente a sua etapa de pesquisas científicas.

Isto significa que o chamado "satélite da água" está pronto para fornecer as imagens globais de hidratação do solo e salinidade dos oceanos, de forma a melhorar a compreensão do ciclo da água.

Mapa de hidratação dos solos

O satélite de hidratação do solo e salinidade dos oceanos (SMOS - (Soil Moisture and Ocean Salinity)) foi lançado em 2 de Novembro do ano passado e desde então foi submetido a um intenso programa de calibração e ativação, na preparação para a sua vida operacional.

Estas aplicações referem-se a áreas como a agricultura e a gestão de recursos hídricos.

"Até agora, a missão tem progredido e estamos muito contentes por perceber o que a comunidade científica já tem conseguido fazer com os dados. Os dados da temperatura serão divulgados em Junho e os da hidratação do solo e salinidade dos oceanos estarão disponíveis em Setembro, depois de validados," disse Susanne Mecklenburg, que coordenará a tarefa de enviar os dados para a comunidade científica.

Exploradores da Terra

A ESA pôs em órbita três dos satélites do seu programa Earth Explorer (Exploradores da Terra) em pouco mais de um ano. A missão de estudo da gravidade, GOCE, lançada em Março de 2009, foi seguida do SMOS, em Novembro e do satélite do gelo, CryoSat, no mês passado.

Os resultados destas três missões serão apresentados à comunidade científica no simpósio Living Planet, no final de Junho em Bergen, na Noruega.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas