Plantão

USP fica entre as 60 melhores universidades do mundo

A USP (Universidade de São Paulo) subiu na classificação do World Reputation Ranking, elaborado pelo The Times Higher Education em parceria com a Thomson Reuters.

A Universidade passou da posição 81-90 para a 51-60, o que representa a melhor posição alcançada pela USP desde a criação do ranking, em 2011. A Instituição também foi a única universidade brasileira a figurar nessa classificação.

Este ranking, que está em sua quinta edição, é uma vertente da classificação anual das universidades, elaborada pelo The Times, que envolve 13 critérios (como relação aluno/professor, quantidade de discentes e docentes estrangeiros, número de trabalhos científicos publicados, dinheiro aplicado em pesquisa etc.) e na qual a USP aparece na posição 201-225ª.

O World Reputation Ranking se baseou nos resultados de consultas realizadas junto a 10.507 acadêmicos de mais de 150 países. O ranqueamento das instituições foi elaborado tendo como principal critério a excelência na pesquisa e no ensino.

Os pontos para avaliar a reputação são referentes ao número de vezes que uma instituição foi citada pelos entrevistados como sendo a melhor em seus respectivos campos de conhecimento. Os acadêmicos consultados poderiam destacar as universidades que consideravam as mais fortes, regional e globalmente, em suas áreas específicas, dentre mais de seis mil instituições de ensino superior existentes no âmbito mundial.

O reitor Marco Antonio Zago afirmou que, para manter as posições alcançadas e poder galgar classificações mais elevadas, "é necessário fortalecer as atividades-fim, como está previsto no plano de metas, elaborado de comum acordo pela Reitoria e pelos dirigentes. Dentre as metas na área acadêmica, estão, por exemplo, ações voltadas à qualificação em língua inglesa na graduação e na pós-graduação, com a ampliação do número de cursos e disciplinas em inglês, e ao fortalecimento das ações de internacionalização, com a implementação de novas bolsas de mobilidade internacional, com apoio da Capes e do CNPq, consolidação de parcerias institucionais estratégicas com universidades e redes de cooperação internacional, entre outras".





Outras notícias sobre:

    Mais Temas