Nanotecnologia

Cientistas constroem bateria humana

Cientistas japoneses, trabalhando no Panasonic's Nanotechnology Research Laboratory, anunciaram o início do desenvolvimento de uma "bateria humana". Retirando eletricidade da glucose do sangue, a bateria será capaz de gerar até 100 watts.

Bateria humana

A nova bateria imitará o funcionamento do corpo humano, gerando eletricidade da mesma forma que o corpo gera a energia necessária para o seu funcionamento a partir do alimento. É claro que 100 watts de energia é uma proposta teórica, já que a pessoa não poderá ficar inerte, sem movimentar-se e o seu corpo continuará necessitando de energia. A menos, é claro, que os pesquisadores estejam pensando em algum tipo de fonte de energia para uma Matrix de verdade. No filme, as pessoas eram conservadas em uma espécie de casulo, em um estado semi-inconsciente, gerando energia para os computadores que controlavam tudo, inclusive a simulação de realidade que na qual as pessoas viviam.

Bio-nano-bateria

Os pesquisadores, que até o momento estão trabalhando na geração de uma potência muito menor, afirmam que os bio-nanogeradores, ou baterias humanas, poderão ser utilizadas para alimentar dispositivos portáteis carregados junto ao corpo ou mesmo incorporados no organismo.

Segundo a reportagem publicada na revista The Engineer, a bateria humana é baseada em uma enzima capaz de retirar elétrons da glucose. Em termos mais simples, a bateria se alimenta de açúcar.

O Dr. Kazuo Eda, coordenador da pesquisa, afirma: "É como o metabolismo do alimento. O corpo humano pode processar a glucose e obter energia. Quando a glucose é oxidada, os elétrons podem ser retirados."

Ele acredita que as bio-nanobaterias serão o desafio do futuro para os pesquisadores, depois que a indústria tiver ultrapassado a fase das células a combustível alimentadas por metanol, atualmente sendo desenvolvidas para aplicações em automóveis e em geradores de eletricidade.





Outras notícias sobre:

Mais Temas