Mecânica

Nova técnica permitirá exploração de reservas de titânio

Engenheiros russos desenvolveram uma nova técnica que poderá viabilizar a exploração de enormes reservas de titânio, existentes não apenas naquele país, mas também ao redor do mundo.

A situação do titânio é paradoxal. De um lado, ele existe em abundância na crosta terrestre: em termos de ocorrência natural, ele é o terceiro mais abundante, perdendo apenas para o ferro e o alumínio. Mas, na indústria, ele é utilizado cem vezes menos do que o alumínio. E muito menos quando se leva em conta apenas sua utilização na forma metálica. O maior uso industrial do titânio é na forma de dióxido, principalmente na indústria de tintas.

E isto acontece apesar de suas incríveis propriedades: ele é leve, resistente e quimicamente estável. O problema é que sua exploração é muito difícil e só existem tecnologias para extraí-lo de alguns poucos minerais.

Agora os engenheiros do Instituto de Metalurgia e Materiais de Baikov, descobriram uma forma de extrair o titânio do rutilo, um mineral abundante e formado principalmente de dióxido de titânio. Como o rutilo ocorre na Rússia principalmente em areias com óleo mineral, o passo básico é a obtenção do rutilo puro.

Para isolar o rutilo, separando-o principalmente do dióxido de silício (quartzo), o principal componente da areia, é utilizado um tratamento termal. Durante esse tratamento, o rutilo adquire propriedades magnéticas, podendo ser facilmente separado da areia.

Os pesquisadores não sabem ainda a razão desse comportamento magnético, embora suspeitem que tenha a ver com alguma composição-traço de ferro. Eles planejam iniciar esforços de pesquisa básica para descobrir exatamente por que e como ocorre o fenômeno.

Mas o que importa no seu trabalho atual é que o fenômeno magnético do rutilo ocorre de forma persistente, tendo sido demonstrado experimentalmente, permitindo a separação entre rutilo e areia de quartzo. O processo é realmente muito eficiente, permitindo a extração de 90 a 95 por cento do rutilo contido na areia.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas