Plantão

Uso de bombas lógicas preocupa Exército brasileiro

Bomba lógica

O chefe do Estado-Maior do Exército, general Marius Luiz Carvalho Teixeira Neto, usou hoje uma versão militar dos termos usados por especialistas em tecnologia digital para demonstrar a necessidade de o Brasil se preparar para eventuais ataques cibernéticos.

"Não vou falar tudo. Apenas vou dizer duas palavras: procurem saber o que significa bomba lógica", disse o general, sem dar explicações, durante o 10º Encontro Nacional de Estudos Estratégicos, promovido pela Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República.

"Bomba lógica é um programa malicioso (malwares) que se instala em computadores de forma similar aos vírus. Muitos desses malwares têm como objetivo destruir dados ou danificar o disco rígido. Se ativado em computadores estratégicos, pode resultar em grandes prejuízos para o Estado", explicou o perito criminal federal Paulo Quintiliano, especialista em crimes cibernéticos.

Em inglês, esse tipo de ataque é conhecido como time bombs.

Uso militar dos malwares

Segundo ele, muitos desses aplicativos possuem gatilhos para serem disparados de forma simultânea por diversos computadores. "Há uma certa predileção de ciberterroristas por esse tipo de malware. Alguns grupos políticos costumam espalhar bombas lógicas para serem disparadas em datas especiais. Assim, tentam chamar atenção para algum evento ocorrido naquela data", explicou Quintiliano.

Apesar de não ser especialista no assunto, o presidente da Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF), Octávio Brandão Caldas Netto, disse que a entidade reúne muitos peritos no assunto. Por isso, não estranhou a declaração do chefe do Estado-Maior do Exército. Para ele, é provável que o Brasil esteja preocupado com o uso militar das bombas lógicas.

"Não há nada comprovado. O que ouvi são relatos de especialistas em informática, sobre a possibilidade de fabricantes de armamentos venderem equipamentos bélicos a outros países contendo bombas lógicas que poderiam ser ativadas caso as armas sejam usadas contra o país de origem", disse Brandão à Agência Brasil.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas