Logotipo do Site Inovação Tecnológica





Plantão

Brasil busca poucos financiamentos externos para economia verde

Com informações da Agência Brasil - 25/06/2019


Economia verde

Um dos problemas para o Brasil levar adiante projetos de infraestrutura que respeitem o meio ambiente não está na legislação ambiental e nem na crise econômica que escasseou os investimentos públicos.

Em alguns casos, instituições internacionais têm dinheiro disponível, mas não conseguem emprestar para o país.

A avaliação é de Ivan Oliveira, diretor do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). Durante a 1ª Conferência Ministerial Regional das Américas sobre Economia Verde, em Fortaleza, ele pediu mais engajamento do Brasil e das instituições multilaterais (bancos internacionais com capitais de diversos países) para destravar o financiamento a projetos sustentáveis no país.

Para Oliveira, o caso mais emblemático ocorre com o Novo Banco de Desenvolvimento (NDB na sigla em inglês). Criada em 2014 pelos países do Brics, grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, a instituição, com sede na China, emprestou poucos recursos ao país até hoje.

"O Brasil hoje acessa menos recursos do que aportou para o NDB, que é um banco que tem algo a dizer em relação à economia verde. Porque foi criado com um perfil já de financiamento de infraestruturas e projetos sustentáveis. Está no DNA do banco a agenda de sustentabilidade," disse.

Viabilização dos projetos

A dificuldade na comprovação da viabilidade dos projetos tem sido um dos fatores que tem impedido o acesso do Brasil a financiamentos internacionais.

O diretor do IPEA citou o projeto do trem-bala entre o Rio de Janeiro, São Paulo e Campinas (SP), que reduziria o consumo de combustíveis fósseis, mas jamais saiu do papel porque a análise custo-benefício não compensou. Para ele, o principal desafio está dos dois lados: no aumento da viabilidade de projetos e no engajamento das instituições multilaterais.

"Os bancos multilaterais precisam ter função mais substantiva de financiamento nesse tipo de projeto. Mais do que isso, o Brasil e vários países precisam ter ação mais proativa na viabilização de projetos que não são financiados pela falta de recursos para que o debate sobre desenvolvimento sustentável ganhe profundidade e concretude," declarou.

Oliveira também defendeu maior abertura da economia brasileira, inclusive no setor financeiro, de modo que mais bancos operem no país. O aumento da concorrência entre as instituições, ressaltou, ajudaria a reduzir os juros finais e tornaria mais viáveis projetos que hoje não podem ser financiados pelo capital privado. "Mais concorrência vai pressionar mais o lucro [dos bancos], o que vai fazer com que projetos inviáveis, dados os custos de oportunidade, passem a ser viáveis," explicou.







Outras notícias sobre:
  • Desenvolvimento Sustentável
  • Políticas de Ciência e Tecnologia
  • Reciclagem e Reaproveitamento
  • Impactos sobre o Meio Ambiente

Mais tópicos