Plantão

Causas de acidente com nave de turismo espacial só em um ano

Causas de acidente com nave de turismo espacial só em um ano
Aqui a nave que explodiu (ao centro) aparece ainda fixada ao WhiteKnightTwo, o avião de suporte. [Imagem: Virgin Galactic]

A investigação sobre o acidente com a nave espacial SpaceShipTwo, da empresa Virgin Galactic, que explodiu sexta-feira no deserto de Mojave, na Califórnia, pode levar cerca de um ano, disse Christopher Hart, chefe da agência de segurança de transportes dos Estados Unidos.

Hart afirmou, porém, que a Virgin Galactic está autorizada a fazer mais voos de teste, enquanto a investigação está em andamento.

As autoridades já iniciaram as investigações para descobrir o que causou a explosão da SpaceShipTwo, projeto precursor de "turismo espacial".

A explosão da SpaceShipTwo, projeto precursor de turismo espacial, matou um dos pilotos - Michael Alsbury, de 39 anos - e deixou o outro gravemente ferido. A aeronave lançadora, chamada WhiteKnightTwo, pousou em segurança.

"Este foi um voo de teste e voos de teste são, tipicamente, muito bem documentados em termos de dados", disse Hart.

Ele afirmou que o trabalho da equipe vai incluir exames detalhados de todos os dados disponíveis, trabalhos no local da queda e entrevistas com testemunhas.

O trabalho no local vai durar uma semana. O resultado das investigações, porém, só deve ser conhecido "em mais ou menos 12 meses".

Os destroços da aeronave estão espalhados pelo deserto de Mojave, a nordeste de Los Angeles. A polícia isolou a área, pois há o temor de que partes da nave possam explodir.

O bilionário britânico Richard Branson, dono da Virgin Galactic, também chegou neste sábado ao deserto da à Califórnia e afirmou que não vai continuar com o projeto "às cegas", mas está "determinado a descobrir o que deu errado" e aprender com a tragédia.

Em entrevista à BBC, concedida na Base Espacial de Mojave, onde a nave estava sendo desenvolvida, Branson disse que "ninguém subestima os riscos envolvidos na viagem espacial".

Ele afirmou, ainda, que acidentes nas primeiras tentativas do homem de desenvolver a aviação comercial não impediram que o meio de transporte se tornasse o mais seguro.

O plano original da Virgin Galactic era lançar o primeiro voo sub-espacial a partir do ano que vem. Mais de 700 pessoas já tinham feito reservas, apesar do preço altíssimo da passagem - cerca de R$ 625 mil.

A aeronave estava usando um novo tipo de combustível, nunca testado antes em voo, apesar de as autoridades terem afirmado que este combustível passou por muitos testes em solo.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas