Plantão

NASA chama Hubble para desvendar destino do cometa ISON

NASA chama telescópio Hubble para desvendar destino do cometa ISON
Imagem composta pela sobreposição de várias observações do ISON feitas pelas sondas espaciais STEREO e SOHO.[Imagem: ESA/NASA/SOHO/SDO/GSFC]

Chamem o Hubble

Depois de alguns dias sem saber explicar o que aconteceu com o ex-cometa do século, a NASA emitiu nota sobre o enigma em que o ISON se transformou.

Segundo a agência espacial, somente o telescópio Hubble poderá esclarecer de vez se o que se pode ver agora do cometa é um resquício de núcleo ou apenas um aglomerado de detritos.

As observações com o Hubble serão possíveis até o final deste mês, quando o cometa ISON, ou o que restou dele, se afastar um pouco mais do Sol.

Agonia de um cometa

Segundo a NASA, os cientistas continuam trabalhando para tentar entender o destino do cometa ISON.

Não há dúvida de que o cometa encolheu consideravelmente quando deu a volta nas proximidades do Sol.

A questão que permanece é se o ponto brilhante visto se afastando do Sol era simplesmente um conjunto de detritos, ou se um pequeno núcleo da bola de gelo original se conservou.

Independentemente das novas observações, diz a NASA, o mais provável é que seja apenas poeira.

Coronógrafos

O cometa foi observado continuamente pelos instrumentos das sondas STEREO (Observatório de Relações Terrestres Solares) da NASA, e SOHO (Observatório Solar e Heliosférico) da ESA, por meio de imagens chamadas coronógrafos.

Os coronógrafos bloqueiam o Sol e uma distância considerável em torno dele a fim de observar melhor as estruturas escuras na atmosfera do Sol, a corona.

Dessa forma, houve um período de várias horas quando o cometa desapareceu das imagens, enquanto ele passava por trás do disco que tapa o Sol.

Fazendo os cálculos de velocidade, contudo, os astrônomos sabiam o momento em que ele deveria aparecer do outro lado do disco.

O problema é que ele inicialmente não apareceu, levando a NASA e a ESA a afirmarem que o ISON havia se desintegrado.

No entanto, algum tempo depois os coronógrafos da SOHO e da STEREO registraram novamente "alguma coisa", segundo a NASA, embora significativamente menos brilhante do que o ISON original.

Espetáculo adiado

Se esse ponto de luz é apenas a nuvem de poeira que restou do cometa, ou se ainda é um pequeno núcleo - uma pequena bola de seu material original, que é gelado - ainda é incerto.

As dúvidas serão tiradas pelo telescópio espacial Hubble até o final de dezembro.

O que se sabe com certeza é que o espetáculo que era esperado do "cometa do século" ficará para outra oportunidade.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas