Plantão

Navios científicos brasileiros partem rumo a novas pesquisas

Navios científicos brasileiros partem rumo a novas pesquisas
O Navio Polar Almirante Maximiano participará da 23ª Operação Antártica, operando conjuntamente com o Navio de Apoio Oceanográfico Ary Rongel.[Imagem: Marinha do Brasil]

Pesquisadores brasileiros partiram hoje do Rio de Janeiro rumo à costa do continente africano a bordo do navio oceanográfico Cruzeiro do Sul. O objetivo da missão científica é coletar materiais para pesquisas meteorológicas.

A equipe, composta por 16 cientistas de dez universidades e institutos de pesquisa, deverá retornar ao Brasil em 22 de dezembro.

Outra expedição, que também zarpou hoje do Rio de Janeiro foi o Navio Polar Almirante Maximiano, que fará a primeira viagem austral, rumo à 23ª Operação Antártica (Operantar).

Dados em profundidade

Durante a expedição, o Cruzeiro do Sul deverá ancorar na África do Sul e na Namíbia, para coletas de nutrientes, medição de temperatura e de salinidade, avaliação de correntes marítimas, entre outros objetivos.

De acordo com o capitão-de-fragata, Alvaristo Nagen Dair, também comandante da operação, as pesquisas serão feitas na superfície e no fundo do mar, com a ajuda de um aparelho específico, entre 30 metros e 5 mil metros de profundidade.

"Vamos fazer coletas em uma área da Bacia do Atlântico Sul com um vazio de dados e de informações muito grande, mas que podem ser usadas para melhorar os processos de previsão meteorológica na nossa costa", destacou.

Navio Polar

O Navio Polar Almirante Maximiano participará da 23ª Operação Antártica, operando conjuntamente com o Navio de Apoio Oceanográfico Ary Rongel.

A presença de dois navios brasileiros na Antártica é um feito inédito, elevando a capacidade logística e tecnológica do Proantar e contribuindo para uma melhoria no desenvolvimento de pesquisas científicas na região.

Além de uma maior capacidade de coleta de dados hidroceanográficos, a disponibilidade de duas embarcações facilitará o apoio logístico à Estação Antártica Comandante Ferraz, base de pesquisas brasileira instalada na ilha Rei George, a 130 quilômetros da Península Antártica.

Durante sua primeira comissão antártica, o navio apoiará projetos voltados a levantamentos topográficos; impacto das mudanças climáticas globais, considerando a fauna e a flora da Região; mudanças antrópicas no meio ambiente marinho antártico; gestão ambiental; educação e difusão da ciência; modelagem e dinâmica de massas de água nas regiões polares; estudos do solo marinho para identificação de eventos paleoclimáticos; estudos sobre a microbiota da região; e processo de recuo das geleiras.

O navio operará com duas aeronaves embarcadas, que serão utilizadas no transporte de material e pessoal. O Almirante Maximiano possui um hangar com capacidade para dois helicópteros. O regresso do navio está previsto para o dia 10 de abril de 2010.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas