Plantão

Patentes brasileiras mantêm-se apesar da crise

Marolinha das patentes

Mesmo com a crise econômica mundial, que se iniciou no fim do ano de 2008, o Brasil manteve estável o seu registro de patentes internacionais, de acordo com os dados da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (Wipo).

Com 480 solicitações de registro em 2009, o país apresentou um ligeiro aumento de 1,7% em relação ao ano de 2008, quando foram feitos 472 pedidos.

O resultado é mais expressivo se comparado ao ano de 2005, quando o Brasil teve 270 pedidos. Em cinco anos, o registro internacional de patentes feito por instituições brasileiras aumentou quase 75%.

Desenvolvimentos diferentes

Mesmo modesto, o desempenho brasileiro no ano passado contrariou a tendência mundial de queda de 4,5% do número total de patentes registradas pelo Tratado de Cooperação de Patentes (PCT, em inglês) da Wipo.

Países com tradição em inovação, como Reino Unido e Alemanha, apresentaram decréscimo em pedidos de registro. Os Estados Unidos ainda lideram o ranking com quase um terço dos depósitos solicitados em 2009, 45.790, queda de 11,4% comparado a 2008.

Entre os países em desenvolvimento, o Brasil ficou atrás da Coreia do Sul (com 8.066 pedidos), China (7.946), Índia (761) e de Cingapura (594).

Setores de maior desenvolvimento

A Wipo registrou aumentos no número de patentes ligadas às áreas microestrutural e de nanotecnologia, de semicondutores e de processos térmicos.

Ao mesmo tempo, diminuíram os pedidos nos setores de tecnologia computacional, farmacêutico e de tecnologia médica.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas