Robótica

Estudantes espanhóis querem enviar robô esférico para a Lua

Redação do Site Inovação Tecnológica - 24/03/2010

Estudantes espanhóis querem enviar robô esférico para a Lua
O protótipo atual escala dunas de areia com inclinação de até 33 graus, mostrando a eficiência do sistema de propulsão autocontido - inclinações muito menores fazem qualquer bola rolar para baixo.[Imagem: UPC]

Google Lunar X Prize

Um grupo de estudantes da Universidade Politécnica da Catalunha, na Espanha, pretende enviar um minirrobô esférico para a Lua.

Batizado de PicoRover, o pequeno robô pretende coletar algumas imagens da Lua e ganhar o Google Lunar X Prize, um prêmio de US$20 milhões para a primeira equipe que conseguir pousar um pequeno robô na Lua, fazê-lo movimentar-se por pelo menos 500 metros e transmitir a proeza em vídeo para a Terra.

O grupo, coordenado pelo professor Joshua Tristancho Martínez, também faz parte da Equipe FredNet, um esforço internacional que congrega pesquisadores e estudantes de dezenas de universidades, todos com o mesmo objetivo de ganhar o Google Lunar X Prize.

Robô esférico

O primeiro protótipo do robô esférico, pesando menos de um quilograma, ficou pronto em 2007, mostrando-se capaz de subir inclinações de até 30 graus, rolando por cima de pedras ou areia fina. O "computador" do PicoRover é um microcontrolador ultra miniaturizado, pesando apenas dois gramas.

Agora o grupo está trabalhando na segunda versão do PicoRover, uma bola com 12 centímetros de diâmetro, no interior da qual estão acondicionados o motor para fazê-la girar pelo solo lunar, uma bateria, um sistema de controle remoto e uma câmera de vídeo de alta definição.

O conjunto todo pesa menos de 250 gramas. Além da simplicidade, um robô leve exigirá um foguete de pequeno porte para levá-lo até a Lua, o que poderá facilitar o trabalho de encontrar um parceiro para fazer o lançamento.

Robô rolante

O PicoRover está sendo construído com materiais de baixo custo, o que inclui um bulbo de lâmpada incandescente, folhas de alumínio e fiação de cobre. Segundo os pesquisadores, esse material é suficiente para proteger o robô das elevadas temperaturas que ele encontrará na Lua.

Os estudos também indicaram que um robô rolante é mais eficiente - e muito mais simples de construir - do que um robô com rodas. Um sistema rotativo de contrapesos faz o robô se deslocar mesmo sobre uma duna de areia na praia. Muito menos areia fez o robô Spirit ficar atolado em Marte.

Mecanismo de contrapesos

O mecanismo de movimentação possui um motor que aciona um contrapeso sobre uma cremalheira circular, criando um efeito parecido com o de um boneco joão-bobo. A diferença é que, ao invés de retornar à posição original, o movimento do motor faz com que a esfera continue avançando na direção desejada - essencialmente um joão-bobo rolante.

O protótipo atual escala dunas de areia com inclinação de até 33 graus, mostrando a eficiência do sistema de propulsão autocontido - inclinações mesmo ligeiras fazem qualquer bola rolar para baixo.

Um outro sistema de contrapesos mecânicos garante que a janela de vidro, no interior da qual está a câmera de vídeo, fique sempre na horizontal, qualquer que seja a posição do robô.

Robôs agindo em grupo

Os pesquisadores afirmam que o PicoRover pode funcionar isoladamente ou como parte de uma rede de robôs atuando coordenadamente.

Cada PicoRover individual poderia então se tornar um elemento de uma rede, comunicando-se por sinais de rádio. A única exigência é que eles não se espalhem por um raio maior do que 100 metros, que é o alcance do seu transmissor.

Se isto puder de fato ser feito, o trabalho abre a possibilidade de criar redes de sensores para exploração da Lua, capazes de cobrir, em muito menos tempo, áreas muito maiores do que seria possível com um único robô.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas