Informática

Seu corpo é sua internet - E ela pode ser hackeada

Redação do Site Inovação Tecnológica - 26/03/2019

Seu corpo é sua internet - E ela pode ser hackeada
Um dispositivo mantém os sinais de comunicação dentro do corpo, para que ninguém possa invadir equipamentos médicos, como os marcapassos. [Imagem: Debayan Das et al. - 10.1038/s41598-018-38303-x]

Internet do corpo

Desde que aparelhos médicos - como marcapassos, desfibriladores, bombas de insulina etc. - começaram a incorporar a tecnologia de transmissão de dados sem fios, especialistas em segurança da informação vêm alertando sobre o risco de interceptação desses dados e, eventualmente, do controle dos aparelhos por pessoas mal-intencionadas.

Ainda não há registro de que isso tenha acontecido na vida real - nos laboratórios há várias demonstrações.

Antes do primeiro crime, contudo, pesquisadores da Universidade Purdue, nos EUA, reforçaram a segurança dessa nascente "internet do corpo".

Os fluidos corporais transportam sinais elétricos muito bem. Até agora, as chamadas "redes de área corporal" têm usado a tecnologia Bluetooth para enviar sinais ao redor do corpo. Essas ondas eletromagnéticas podem ser captadas a até 10 metros de uma pessoa.

A nova tecnologia consiste em manter os sinais de comunicação dentro do próprio corpo.

Seu corpo é sua internet - E ela pode ser hackeada
A tecnologia consiste em não deixar que os sinais viajem muito além da superfície da pele. [Imagem: Purdue University image/Erin Easterling]

Rede corporal

Debayan Das e colegas desenvolveram uma maneira de manter a comunicação a no máximo um centímetro da pele, e usando 100 vezes menos energia do que a comunicação Bluetooth tradicional.

Isto foi possível por meio de um dispositivo que conecta sinais na faixa eletro-quasistática, que é muito mais baixa no espectro eletromagnético.

A demonstração, feita com um protótipo de relógio, envolveu a recepção de sinais de qualquer parte do corpo, desde as orelhas até os dedos dos pés. A espessura da pele ou do cabelo também não fazem diferença na qualidade do sinal.

"Nós mostramos pela primeira vez um entendimento físico das propriedades de segurança da comunicação do corpo humano para permitir uma rede corporal secreta, para que ninguém possa bisbilhotar informações importantes," disse o professor Shreyas Sen.

O grupo já está trabalhando com financiamento do governo e parceria com a indústria para incorporar essa tecnologia em um circuito integrado ultraminiaturizado.

Bibliografia:

Enabling Covert Body Area Network using Electro-Quasistatic Human Body Communication
Debayan Das, Shovan Maity, Baibhab Chatterjee, Shreyas Sen
Nature Scientific Reports
DOI: 10.1038/s41598-018-38303-x




Outras notícias sobre:

    Mais Temas