Plantão

Sonda russa que iria a Marte cairá na Terra nos próximos dias

Sonda russa que iria a Marte cairá na Terra nos próximos dias
A nave deveria pousar na lua Fobos, de Marte, recolher amostras e trazê-las de volta à Terra.[Imagem: NPO Lavochkin]

Retorno antecipado

A sonda russa Phobos-Grunt deverá cair de volta na Terra entre 10 e 21 de janeiro de 2012.

"Segundo os dados que temos e os cálculos dos especialistas, a queda da nave pode se dar entre 10 e 21 de janeiro, com o dia 15 como a data mais provável", informou a Roscosmos, agência espacial russa.

O objetivo da Phobos-Grunt era buscar uma amostra de rochas e solo da lua Fobos, de Marte.

Lançada no dia 8 de novembro do ano passado, a sonda não conseguiu estabelecer sua própria localização de forma automática, com base nas estrelas, o que impediu o acionamento dos motores para seu primeiro impulso rumo a Marte.

Desta forma, ela nunca saiu da órbita da Terra, e vem caindo lentamente desde então.

Todas as tentativas de contatar a sonda para dar uma "partida manual" falharam, e a Roscosmos considerou a Phobos-Grunt definitivamente perdida alguns dias depois.

Chuva de detritos espaciais

Será a terceira queda importante de lixo espacial em apenas cinco meses.

A Phobos-Grunt terá o mesmo destino que o satélite UARS da NASA, que caiu em Setembro de 2011, e do telescópio alemão ROSAT, que reentrou na atmosfera um mês depois.

Como ocorreu nos casos anteriores, não é possível precisar o local da queda.

No caso do satélite alemão ROSAT, a agência espacial alemã ficou vários dias sem saber onde sua sonda caiu, ficando na dependência de testemunhas oculares para relatar a queda dos destroços.

Probabilidades

Cálculos indicavam uma chance de 1 em 3.200 de que algum pedaço das sondas anteriores atingisse uma pessoa em terra - o que não ocorreu em ambos os casos.

A Roscosmos não divulgou dados específicos a respeito da Phobos-Grunt, mas as probabilidades não devem ser muito diferentes.

A Roscosmos calcula que entre 20 e 30 fragmentos da nave deverão atingir o solo, com uma massa total de cerca de 200 quilos - o restante deverá se queimar na reentrada atmosfera.

A agência afirma que o combustível tóxico a bordo da Phobos-Grunt deverá se queimar inteiramente a cerca de 100 quilômetros de altura.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas