Logotipo do Site Inovação Tecnológica





Meio ambiente

Uma tenda mágica para manter montanhistas aquecidos

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/09/2015

Uma tenda mágica para manter montanhistas aquecidos
Mesmo com a abertura superior (em verde) a célula de dormir mantém o montanhista aquecido em um ambiente a -30º C.
[Imagem: Empa/Polarmond]

Bivaque confortável

Pesquisadores dos Laboratórios Empa, na Suíça, criaram um novo conceito de tenda que promete aquecer a vida dos montanhistas e aventureiros em geral.

Martin Camenzind e Matthew Morrissey criaram um abrigo que é um misto de barraca e saco de dormir, trazendo conforto também à prática do bivaque, que é o acampamento a céu aberto sem a montagem de uma infraestrutura que demande o carregamento de muito peso.

A maior novidade é que, projetado para ser usado em temperaturas de até -30º C, o abrigo é aquecido apenas pelo calor do corpo do ocupante.

A solução foi possível por meio de um sistema de isolamento térmico na forma de um sanduíche, composto de um enchimento sintético macio com camadas refletoras, o mesmo material usado nas roupas espaciais.

Como lidar com a umidade

Para manter o interior aquecido, uma das principais dificuldades é lidar com a umidade liberada pelo corpo, já que é essencial manter a camada de isolamento seca. Um tipo especial de forro e uma capa resolveram parcialmente o problema. A outra parcela foi resolvida recobrindo o lado voltado para o corpo com uma camada permeável que permite que o vapor de água passe.

O forro é selado do lado de cima rumo ao interior, de forma que a umidade do corpo do montanhista fica presa no forro e pode, na manhã seguinte, ser simplesmente sacudida, saindo sob a forma de gotas ou cristais de gelo.

Uma
Protótipos da célula de bivaque.
[Imagem: Empa/Polarmond]

Célula de dormir

Como o bivaque não é fechado, como em um saco de dormir, mas apenas uma capa, uma troca de ar - e, portanto, de umidade - é inevitável. Para que, ainda assim, a camada de isolamento permaneça seca, o lado interno recebeu um revestimento que não é permeável ao vapor de água.

A umidade residual é capturada pelo ar aquecido na célula de dormir e escapa através de uma abertura com zíper.

Isto permite uma temperatura praticamente constante na célula de dormir, mesmo se a temperatura exterior variar.

A dupla disse que não considera o trabalho terminado, sendo ainda possível melhorar detalhes, mas já está conversando com as indústrias que fabricam os materiais que eles utilizaram nos protótipos em busca de parcerias para colocar a tenda no mercado.







Outras notícias sobre:
  • Tecidos
  • Refrigeração
  • Compósitos
  • Biomecatrônica

Mais tópicos