Plantão

Veja os ganhadores do Prêmio Ig Nobel 2012

Crítica às neurociências

Foram anunciados ontem, na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, os ganhadores do Prêmio Ig Nobel de 2012.

O objetivo do evento, segundo seus organizadores, é destacar pesquisas científicas que primeiro nos fazem rir, para depois nos fazer pensar.

O grande destaque deste ano foi para uma pesquisa que cumpre bem esse objetivo: cientistas demonstraram que um salmão morto é capaz não apenas de reconhecer emoções humanas olhando para fotografias, como também mostraram a parte do cérebro do animal responsável por essas emoções.

O trabalho é uma crítica contundente à proliferação de estudos na área das neurociências que atribuem emoções, comportamentos e funções em geral a partes específicas do cérebro.

Segundo Craig Bennett e seus colegas, esses estudos têm duas marcas registradas: o uso de um exame chamado ressonância magnética funcional (fMRI) e de uma técnica estatística que permite tirar virtualmente qualquer conclusão.

O método estatístico é tão frágil que eles conseguiram tirar todas as conclusões do seu trabalho maluco observando o cérebro de um salmão morto.

Ganhadores do Ig Nobel 2012

Acústica

Kazutaka Kurihara e Koji Tsukada (Japão) pela criação do SpeechJammer, uma máquina "embaralhadora da fala", que interrompe a fala de uma pessoa, fazendo-a ouvir suas próprias palavras faladas em um pequeno atraso.

Anatomia

Frans de Waal (Holanda/EUA) e Jennifer Pokorny (EUA) por descobrir que os chimpanzés podem identificar outros chimpanzés individualmente olhando fotografias de seus traseiros.

Dinâmica dos Fluidos

Rouslan Krechetnikov (EUA/Rússia/Canadá) e Hans Mayer (EUA) por estudar o movimento do café na xícara quando uma pessoa anda com ela na mão.

Física

Joseph Keller (EUA), Raymond Goldstein (EUA/Reino Unido), Patrick Warren e Robin Ball (Reino Unido) pelo cálculo do equilíbrio de forças que modela e movimenta o cabelo humano em um penteado rabo-de-cavalo.

Keller recebeu ainda um Ig Nobel retardatário, por um trabalho de 1999, sobre bules de chá que não pingam.

Literatura

Escritório de Controladoria do governo dos EUA pela publicação de um relatório a respeito dos relatórios sobre relatórios. O novo relatório recomenda a elaboração de um relatório sobre o relatório sobre os relatórios sobre relatórios.

Medicina

Emmanuel Ben-Soussan e Michel Antonietti (França) por elaborar recomendações para os médicos que realizam colonoscopias sobre como minimizar a chance de que seus pacientes explodam.

Neurociências

Craig Bennett, Abigail Baird, Michael Miller, e George Wolford (EUA) por demonstrar que os pesquisadores do cérebro, usando instrumentos complicados e estatística frágil, podem ver atividades cerebrais significativas em qualquer lugar - mesmo no cérebro de um salmão morto.

Paz

Para a empresa SKN (Rússia), pela conversão de munição russa velha em diamantes novos.

Psicologia

Anita Eerland e Rolf Zwaan (Holanda) e Tulio Guadalupe (Peru/Rússia/Holanda) pelo seu estudo mostrando que, quando uma pessoa se inclina para a esquerda, a Torre Eiffel parece menor.

Química

Johan Pettersson (Suécia) por resolver o enigma de por que, em certas casas na cidade de Anderslöv, na Suécia, o cabelo das pessoas ficou verde: por causa do cobre liberado pelos canos.

Prêmio Nobel verdadeiro

Já se tornou tradição que o Ig Nobel preceda os anúncios do autêntico Prêmio Nobel, que ocorre no início de Outubro de cada ano.

Veja as datas de anúncio do Prêmio Nobel:

  • Fisiologia ou Medicina - 08 de outubro - Segunda-feira
  • Física - 09 de outubro - Terça-feira
  • Química - 10 de Outubro - Quarta-feira
  • Paz - 12 de Outubro- Sexta-feira
  • Ciências Econômicas - 15 de Outubro - Segunda-feira
  • Literatura - Data ainda não definida

Outras tradições do Ig Nobel são a presença de ganhadores do Prêmio Nobel "verdadeiro", uma garota que começa a gritar no palco se os ganhadores fazem discurso muito longos e os aviõezinhos de papel atirados pela plateia durante o evento.

Em 2008, dois cientistas brasileiros ganharam o Ig Nobel de Arqueologia, por mostrar o impacto dos tatus no movimento dos materiais arqueológicos:





Outras notícias sobre:

    Mais Temas