Logotipo do Site Inovação Tecnológica





Meio ambiente

Técnica simples pode combater erosão em áreas urbanas

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/03/2006

Técnica simples pode combater erosão em áreas urbanas

O solo agricultável está sendo erodido - levado pelos ventos ou pela água - de 10 a 40 vezes mais rápido do que pode ser reposto. Embora isto possa vir a afetar toda a produção mundial de alimentos, o problema pode ser ainda mais grave, com conseqüências mais imediatas, na área urbana.

É o que acontece, por exemplo, na região da Grande São Paulo, onde a expansão urbana tem alcançado progressivamente terrenos topograficamente mais acidentados e geologicamente extremamente susceptíveis à erosão, e via de regra implicado em grandes operações de terraplenagem.

Esta erosão é a origem do assoreamento de córregos, rios, bueiros e galerias de drenagem, constituindo-se em uma das principais causas das enchentes metropolitanas. Esses mesmos processos erosivos revelam-se também no preocupante assoreamento dos lagos e reservatórios componentes do sistema de abastecimento de água da região.

Agora, um geólogo brasileiro criou uma tecnologia simples e barata que poderá ajudar a resolver este problema. Batizada de Cal-Jet, a técnica consiste na pulverização de calda fluida de cal com aglutinantes sobre as superfícies de solo a serem protegidas. A cobertura de taludes rodoviários com cal já foi utilizada anteriormente. Mas o processo era demorado e caro, com baixo rendimento.

"O objetivo atual foi justamente proporcionar uma técnica de aplicação de fácil manejo e de grande rendimento, portanto propícia para a proteção de grandes superfícies, contínuas ou descontínuas," explica o geólogo Álvaro Rodrigues dos Santos, criador da técnica.

Segundo o pesquisador, a aplicação de cal é ambientalmente neutra, não comprometendo a qualidade do solo tratado, ao contrário do que acontece com a aplicação de emulsões asfálticas, o que deixa aberta a possibilidade da colocação futura de coberturas vegetais.

A área a ser protegida também não necessita receber nenhum tratamento prévio, já que o jato de calda atinge todas as reentrâncias superficiais. Do ponto de vista estético, ela pode receber corantes que minimizem o impacto visual.







Outras notícias sobre:
  • Impactos sobre o Meio Ambiente
  • Monitoramento Ambiental
  • Construção Civil

Mais tópicos