Plantão

Olimpíada de Física

A delegação brasileira está pronta para disputar, pela quarta vez, a Olimpíada Ibero-Americana de Física (OIbF). Com o apoio da Federação Latino-americana de Sociedades de Física (FELASOFI), a disputa entre estudantes do ensino médio ocorrerá de 20 a 27 de setembro em Havana. Estima-se a participação de mais de 60 estudantes da América Latina, além de Portugal e Espanha.

Alguns fatos motivam a equipe brasileira para essa competição. Um deles é o resultado na Olimpíada Internacional de Física (IPhO), realizada este ano em Taiwan. O Brasil foi o melhor colocado entre os países ibero-americanos, empatando apenas com Cuba.

O histórico também é positivo. Nas edições da Ibero-Americana de 2001 e 2002 todos os estudantes brasileiros retornaram com medalhas, totalizando três de ouro, uma de prata e três de bronze. "Espero que a equipe mantenha essa performance", comenta o chefe da delegação brasileira, Professor Carlito Lariucci. Ele é membro do Comitê Organizador da OIbF 2004 que acontecerá no Brasil.

Entre os jovens selecionados para OIbF 2003 está Iuri Bertollo. O estudante brasiliense integrará a delegação que, dessa vez, levará 4 alunos. "Apesar de não conhecer o nível dos adversários, farei o que estiver ao meu alcance para obter o êxito", comenta Iuri.

A mesma determinação é apresentada pelo estudante cearense Fernando Capistrano. "As expectativas para a Ibero são ótimas", diz entusiasmado. Para o pernambucano, Eduardo Higino, o treinamento já lhe proporcionou um resultado proveitoso. "O mais importante para mim foi o processo de preparação. Tive a oportunidade de aprender coisas sobre a natureza e assim satisfazer uma realização pessoal. A Olimpíada é o estágio final de um trabalho muito prazeroso".

Todos ressaltam o intercâmbio cultural que acontece nessas competições. "A viagem vai me proporcionar uma grande experiência", diz Fernando. Eduardo complementa, "esta é uma ótima oportunidade de conhecer os melhores alunos das Américas".

Para o coordenador Estadual de São Paulo, Professor Euclydes Marega, no âmbito educacional, a competição pode contribuir para o fortalecimento das relações entre os países de língua latina. "Hoje, você observa que os países estão se agrupando em blocos que representam algum tipo de interesse, seja este, cultural ou econômico".

Além de também participar do Comitê Organizador da OIbF 2004, Marega coordena o treinamento intensivo que a equipe brasileira realizará, antes de partir para Havana. No Instituto de Física da USP de São Carlos, com apoio integral da SBF, os estudantes se preparam para as provas práticas. Essa atividade colaborou bastante para o resultado da IPhO, onde o estudante Jong Woo, obteve o 23º lugar na prova experimental, entre 240 participantes da competição.





Outras notícias sobre:

    Mais Temas