Plantão

Petrobras revela estratégias para desenvolver tecnologias para o pré-sal

Redes temáticas

O gerente executivo do Centro de Pesquisa da Petrobras (Cenpes), Carlos Tadeu Fraga, disse que a estatal brasileira vem investindo cada vez mais em pesquisa tecnológica de ponta, principalmente nas universidades do país, para construir o maior parque tecnológico na área de petróleo, gás e energia do mundo.

Para isso, ressaltou, a empresa está investindo na implantação de um conceito de rede temática, onde foram listados 39 temas de seu interesse, mapeadas as universidades com capacidade para trabalhar junto com os pesquisadores e ajudar a estatal em seu objetivo.

"Nós estamos trabalhando em rede com essas universidades como se fosse uma única equipe centrada naquele tema. Quando a gente olha os desafios tecnológicos que a Petrobras tem hoje, sabe que eles demandam recursos e integração com universidades do Brasil e do exterior. Para fazer frente, a Petrobras está construindo novos laboratórios e duplicando a sua capacidade de pesquisa, porque para superar esses desafios é preciso entendê-los e gerar soluções", disse.

Realidade do pré-sal

O executivo da Petrobras lembrou que a empresa está investindo anualmente entre US$ 300 e US$ 400 milhões nas universidades brasileiras para adequá-las à nova realidade que surge com o pré-sal.

"Estamos investindo na adequação, modernização e construção de laboratórios nas universidades em cada um desses temas. A visão é ter no Brasil instalações experimentais que não fiquem nada a dever, nas áreas onde precisamos, às mais modernas instalações de ensino e pesquisa do mundo".

"Repito: a nossa ambição está se materializando e tem por objetivo criar no país o maior parque tecnológico na área de óleo, gás e energia no mundo. Estamos investindo nesse sentido. Não tem por que ser diferente: nós temos grandes desafios e estamos investindo nesse sentido".





Outras notícias sobre:

    Mais Temas