Logotipo do Site Inovação Tecnológica





Informática

Só falta uma cor para você ter uma tela com píxeis de alumínio

Redação do Site Inovação Tecnológica - 23/02/2016

Pixel de alumínio
O píxel de alumínio é formado simplesmente juntando as nanopartículas - a cor que ele irá produzir vai depender do arranjo das nanopartículas.
[Imagem: Jana Olson et al. - 10.1021/acsnano.5b06415]

Destruição fotoquímica

Você já percebeu como a tela do seu aparelho novo - seja um celular, um tablet ou computador - parece ser muito melhor do que a tela do seu aparelho antigo?

Ela é realmente... E não é só por causa do avanço tecnológico.

Por mais que tenham avançado, as telas atuais sofrem de um problema conhecido como destruição fotoquímica, que faz com que as cores esmaeçam com o tempo.

Para fabricar telas cujas cores nunca desbotarão, pesquisadores agora estão centrando sua atenção na fabricação de píxeis de alumínio, melhorando seu brilho, já que as cores geradas por eles até agora já nasciam esmaecidas.

Píxeis de alumínio

As nanopartículas de alumínio são muito baratas e podem ser fabricadas em dimensões minúsculas, o que se traduz na possibilidade de aumento da resolução das telas.

O píxel de alumínio é formado simplesmente juntando as nanopartículas - a cor que ele irá produzir vai depender do arranjo das nanopartículas.

Isto porque elas produzem cores graças a quasipartículas conhecidas como plásmons de superfície. A cor é gerada quando a luz incide sobre os píxeis, produzindo a chamada ressonância plasmônica.

Cores vibrantes

Para produzir píxeis de alumínio com cores vibrantes, Jana Olson e seus colegas das universidades Rice e Novo México, nos EUA, exploraram agora um fenômeno adicional, chamado interferência de Fano, ou ressonância de Fano, uma interação entre a ressonância plasmônica e a própria estrutura física do píxel.

A equipe já conseguiu fabricar píxeis com cores vívidas ao longo de todo o espectro vermelho e azul.

Embora todo o espectro visível já esteja sendo gerado pelos píxeis de alumínio - a equipe construiu uma tela de demonstração completa com eles - falta agora encontrar a estrutura adequada para que a faixa do verde também ganhe o brilho já alcançado pelas outras cores básicas do sistema RGB.

Obtendo isto, segundo a equipe, não haverá mais qualquer entrave à adoção dos píxeis de alumínio em escala industrial.

Bibliografia:

Artigo: High Chromaticity Aluminum Plasmonic Pixels for Active Liquid Crystal Displays
Autores: Jana Olson, Alejandro Manjavacas, Tiyash Basu, Da Huang, Andrea E. Schlather, Bob Zheng, Naomi J. Halas, Peter Nordlander, Stephan Link
Revista: ACS Nano
Vol.: Article ASAP
DOI: 10.1021/acsnano.5b06415






Outras notícias sobre:
  • Telas e Monitores
  • Nanopartículas
  • Fotônica
  • Spintrônica

Mais tópicos