Espaço

Labaredas de raios gama questionam Einstein e podem sinalizar

O telescópio MAGIC (Major Atmospheric Gamma-ray Imaging Cherenkov) descobriu que os fótons de alta energia da radiação gama de uma galáxia distante chegaram na Terra quatro minutos após os fótons de baixa energia, embora aparentemente tenham sido emitidos ao mesmo tempo. Se a observação estiver correta, ela contraria a teoria da relatividade de Einstein, que estabelece que todos os fótons (partículas da luz) devem se mover na velocidade de luz.

Espuma quântica

"Está todo mundo muito entusiasmado com este resultado," afirmou Daniel Ferenc, professor de física na Universidade Davis, Estados Unidos e membro do MAGIC. Ferenc advertiu que os resultados precisam ser repetidos com outras fontes de raios gama e que uma explicação mais simples não foi descartada. Mas, "parece que tais medições são possíveis," disse.

Os pesquisadores propõem que o atraso pode ter sido causado pela interação dos fótons com uma "espuma quântica," um tipo de estrutura do próprio espaço. A espuma quântica é prevista pela teoria da gravidade quântica, uma tentativa para unificação da física quântica e da relatividade em escalas cósmicas.

Labaredas de raios gama

Os astrônomos apontaram o telescópio para Markarian 501, uma galáxia a meio bilhão de anos-luz de distância, que contém um "blazar" -- um buraco negro maciço que libera jatos de raios gama. Uma parte desse material, caindo em direção ao buraco negro, é comprimido em jatos que brotam dos pólos do objeto a uma velocidade próxima à da luz. Esses jatos fazem brilhar "labaredas" de raios gama com vários minutos de duração.

Os cientistas classificaram os fótons de raios gama vindos do objeto em alta e baixa energia a cada labareda. Junto com um grupo de físicos teóricos liderados por John Ellis, do CERN, a equipe MAGIC mostrou que os fótons de alta e baixa energia parecem ter sido emitidos ao mesmo tempo. Mas os fótons de alta energia chegaram quatro minutos mais tarde, após viajar através do espaço por aproximadamente 500 milhões de anos.

Questionando Einstein

Agora teremos que esperar um pouco mais, até que outros cientistas revejam os dados do estudo, propondo explicações alternativas ou confirmando os resultados. Ainda que confirmadas, certamente deverão ser agendadas novas observações com outros telescópios.

Não é a primeira vez que as teorias de Albert Einstein são questionadas. Para uma coleção não completa desses questionamentos, veja Cientistas tentam desmentir Einstein, Sonda poderá desmentir Einstein, Testando a Teoria da Relatividade de Einstein e Einstein estaria errado sobre as viagens espaciais?.

Há também o outro lado: Sonda da Gravidade confirma teoria de Einstein e, para resumir, Einstein estava certo (de novo).

Bibliografia:

Probing Quantum Gravity using Photons from a Mkn 501 Flare Observed by MAGIC
J. Albert et al. in MAGIC, John Ellis, N.E. Mavromatos, D.V. Nanopoulos, A.S. Sakharov, E.K.G. Sarkisyan
arXiv.org
http://arxiv.org/abs/0708.2889




Outras notícias sobre:

    Mais Temas